Vibrações Positivas de Um Bom Espírita

Vibrações Positivas de Um Bom Espirita

*Enoque Alves Rodrigues

Por vezes nos pegamos a pensar no quanto temos lutado na busca frenética de um determinado objetivo sem, no entanto, lograrmos êxitos em nosso intento. Ainda mais frustrados ficamos ao constatarmos que outras pessoas, muitas vezes bem perto de nós e que, aparentemente, nem se empenharam tanto quanto nós, o alcançaram em pouco tempo, com os pés nas costas. Quando isso acontece, nós, espíritas calejados, conhecedores das curvas e obstáculos do caminho nos pomos a lamentar. Céus, o que foi que eu fiz de errado? Onde foi que eu deixei a desejar? Por que “ele” conseguiu e eu não? Porventura não sou também filho de Deus? Será que fulano é melhor que eu?

Ou então, o pior, numa demonstração de total desespero e apego ás coisas materiais, passamos a blasfemar contra tudo e contra todos, colocando-nos, invariavelmente, na condição de vitima deplorável.

Diabos, o que tem esse cara de melhor que eu para, sem esforço algum, conseguir com tanta facilidade realizar o seu sonho e objetivo o qual eu que tanto luto, dia e noite, além de estar sempre em perfeita comunhão com o Mundo Espiritual, anos a fio, não vou além do suficiente para sobreviver? Trabalho arduamente e os meus proventos por mais econômico que eu seja não suprem as minhas necessidades básicas durante o mês?

Pois é, meu amigo, por mais que nós não queiramos aceitar, somos muitas vezes impelidos a pensarmos e agirmos dessa maneira. Apesar de nos vigiarmos, sem querer, nos pilhamos envolvidos por estas vibrações mesquinhas que nos levam a consequências danosas e irreparáveis a nossa conduta espírita apenas por não termos nos comportado de forma positiva e coerente com os princípios que recebemos sobre os quais em toda e qualquer circunstancia devemos perseverar e preservar.

No caso em tela, claro e evidente está que todo e qualquer bom espirita é aquele que deseja, pacientemente, o bom e o melhor para o seu próximo e, se possível, caso a Providência Divina assim o entenda, que seja extensivo a sua pessoa assim como de seus familiares mais queridos.

Em se tratando de espiritismo não vale utilizar aqui as regras da aviação civil que recomendam que em situações de perigo iminente você deve colocar a máscara protetora primeiro em você e somente depois na pessoa que está ao seu lado.

Aproveito para ressaltar que não há nada de mal em desejar o bom e o melhor para nós mesmos. Até ai, tudo bem. Tudo ótimo. É desnecessário mencionar que ninguém em sã consciência vai desejar para si o insucesso ou aquilo que não o apraz. Seria a demonstração clara e inequívoca de uma tendência ao masoquismo.

O grande problema reside exatamente nas frustrações causadas pela não concretização do nosso desejo temporal que entorpecem a mente privando-a de um raciocínio imparcial e saudável que nos conduziria por caminhos bem menos tortuosos da aceitação sem questionamentos, do destemor e coragem para seguir com fé adiante na certeza plena de que se hoje não foi possível, amanhã, um novo dia poderá nos sorrir e com ele a realização de todas as maravilhas e anseios guardados por longo tempo em nosso mais profundo recôndito.

Não se deite, jamais, sobre conclusões precipitadas á respeito de um sucesso eventual de seu próximo. Você não saberá definir o quanto ele haverá lutado para chegar onde está. Não se esqueça de que você enquanto espirito que ainda habita a matéria densa que se arrasta por este Planeta de expiações e provas chamado terra não tem ainda a visão do pensamento facultada aos espíritos desenvolvidos para medir o quanto o seu vizinho ou seu próximo perseguiu tal objetivo antes de consegui-lo. Mesmo assim, ainda que você tivesse de posse de aludida capacidade, não lhe seria dado o direito de medir o outro com a sua régua ou inveja-lo pelo que ele tem. Ao invés disto, você que teve a graça de conhecer a luz da terceira revelação que nos veio a lume por KARDEC deveria, isto sim, rogar aos Céus para que dentro do possível conceda sempre o melhor ao seu próximo. Você não deveria, em momento algum pedir isto ou aquilo para você. Você já tem de tudo… Até o discernimento do que você deve ou não fazer. Qual é o caminho que você deve seguir. Você tem o Sopro Divino. Você está vivo, espiritualmente. Você tem saúde e dois brações robustos para dar duro no batente assim como eu um ancião de sessenta e um anos que trabalho há cinquenta anos e ainda hoje me levanto todos os dias ás 5 horas da manhã para trabalhar fora de casa. Você acha que tudo isto é pouco?

Eu não!

Então, pare de reclamar… Deixe o seu próximo prosperar em paz… Não o atormente com o seu pensamento negativo, mas, vibre, positivamente em seu favor.

Afinal, que espirita é você?

E tenho dito.

*Enoque Alves Rodrigues é espírita e trabalha em empresa de engenharia a 42 anos.

redeamigoespirita

Esta entrada foi publicada em Artigos, Espiritismo. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *