O ônus da maledicência

 O que pensam de você, é uma pesada  carga que deverá ser carregada por aquele que esmerou em perder o tempo  em te julgar, sendo assim, não perca seus dias preciosos na vida sofrendo pelos julgamentos e veredictos que muitos possam ter a seu respeito.

Quem deve se angustiar é quem julga e quem quer condenar, pois, os rigores dos seus veredictos poderão no futuro voltar contra ele mesmo, jamais sofra, jamais pare o seu progresso por conta dos caluniadores. eles não merecem uma fração de segundo de atenção.

Na maioria das vezes o caluniador fica mais contente com as conseqüências das calunias do que propriamente com a condenação, a ele cabe o prazer do escárnio  de dor causado pelas ofensas e mentiras, a condenação social é mais vantajosa e muitas das vezes sente aumentar seu prestigio junto ao reduto social que pertence, o caluniador tem verdadeiro fetiche pelo prestígio.

Desta maneira não dê guarida ao ódio causado pela calunia. a melhor forma de calar o verdugo da língua é despreza-lo, não dar guarida, não dar motivo de respostas, a resposta só aumenta a contenda, mostre que tudo o que ele disse sobre você esta deturpado, a ferramenta  deve ser o esmero nas atitudes e sua postura, a grande forma de derrubar o maledicente é o silencio, brandura nas respostas, compromisso com a ética e jamais vá para o confronto, pois, isto é tudo que ele quer de você.

Não acumule ódio, apenas siga sua jornada, não guarde na memória a ponta do dedo indicador de quem o caluniou, procure os caminhos e os ensinamentos de Jesus, quanto ao maledicente? Deixe ele por conta das próprias amarras das leis de causa efeito, o ato do mal dizer há de abrir buracos grandes , buracos pequenos pelo seu caminhar, deixe assim que no futuro ele se ocupe em voltar e cobrir cada cratera aberta pela maledicência, hoje foi ele,  quem sabe nós não fomos ontem o delinqüente da língua, esta ferramenta que mora em uma caverna chamada boca, que pode destruir vidas, se não a disciplinarmos.

Vamos refletir.

redeamigoespirita.com.br

Esta entrada foi publicada em Artigos, Espiritismo. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *