Drogas e Religião

Ressurgem na Terra conceitos que proclamam o uso dos alucinógenos dessa ou daquela natureza para as experiências de cunho paranormal.

Em torno de uma droga, sorvida como chá, aspirada, injetada ou mastigada in natura,busca-se a incursão no mundo espiritual.

Nos Estados Unidos foi criada uma seita, fundada por um ex-professor universitário, Timothy Leary, onde os adeptos passam diariamente uma hora em meditação, sob a ação daMarihuana e, uma vez por semana, em culto individual ou coletivo, consumindo doses de L.S.D (Ácido Lisérgico).

No México, os índios dedicam verdadeira adoração a uma planta, o cogumelo sagrado, considerado anestesiante e provocador de desdobramento de consciência.

Os fungos dessa espécie, sempre servidos aos pares, produzem sonhos e visões, aguçando a percepção sensorial dos que os ingerem.

Lembram os que defendem tais práticas que os povos primitivos as utilizavam em seus rituais.

Olvidam-se que o exercício psíquico da concentração consciente, a meditação profunda, a prece conduzem a resultados superiores, sem consequências danosas quais as dos recursos alucinatórios.

A quase totalidade que busca desenvolver a percepção extrassensorial, através do uso de drogas, realiza um mergulho no passado espiritual que assoma, persiste, se apresenta qual um fantasma.

Fantasma que, mesmo após concluída a experiência, se impõe a pouco e pouco, acabando por desarmonizar a mente do neófito que assim se arvora em viagens.

Vale ainda recordar que inimigos desencarnados, que se demoram à espreita das suas vítimas, se utilizam dos sonhos e das viagens para surgirem na mente do viciado.

Surgindo, em aspecto perverso, causam pavor e fixam matrizes psíquicas para futuras perturbações e obsessões.

Nosso Modelo e Guia, Jesus, deu-nos a lição máxima a esse respeito.

Alçado à cruz, após ter sido supliciado na noite anterior através dos açoites, insone, sedento e tendo exauridas as forças, clama: Tenho sede.

Jesus sofre como sofre o mais humano dos homens; sofre na plenitude da Sua consciência; o Seu coração transborda de piedade para com o próximo, os músculos vibram de atroz sofrimento e dos lábios lhe rompem gemidos de dor.

Os soldados, imediatamente lhe providenciam a bebida.

Costumava-se, para que o condenado tivesse diminuídas as dores terríveis da crucificação, servir uma mistura de vinho e mirra. Uma droga entorpecente.

Embebida uma espoja em tal poção, colocada em uma lança é levada aos lábios do Cristo. Ele a recusa.

Deseja permanecer lúcido até o fim.

Lúcido para entregar o Espírito nas mãos do Pai.

Fracas, cada vez mais fracas se tornam as pulsações do Seu coração… Os músculos torturados estremecem numa contração subitânea… E, inclinando a cabeça, expira… Exemplo de coragem e de grandeza.

Para o contato com Deus, lecionou a prece, o diálogo sereno.

Ele buscava a noite para estar a sós com o Pai e orar, ou os lugares mais silenciosos, qual o fez horas antes da Sua prisão, no Horto das Oliveiras.

Jesus ontem, hoje e sempre continua sendo o exemplo para todos os que desejem alçar o voo rumo ao Infinito, na busca da perfeição, sem peias, sem algemas na retaguarda.

*   *   *

Jesus é o vulto mais completo da Humanidade.

A moral que Ele pregou é a maior que a Terra já teve notícias.

Por esse motivo, os Espíritos que estabeleceram as diretrizes da Doutrina Espírita, na face da Terra, não ditaram outra senão a moral do Cristo como o roteiro seguro para a felicidade.

 – com base no cap. 8, do livro Após a tempestade, pelo Espírito Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. Leal; na revista Presença Espírita, nº 129, ed. Leal; no item 189, do livro Jesus Nazareno, de Huberto Rohden, v. 2, ed. União Cultural e no verbete Vinho, do Dicionário Enciclopédico da Bíblia, de A. Van Den Born, ed. Vozes.

Em 19.11.2012.

Esta entrada foi publicada em Artigos, Espiritismo. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *