Olhar para a Doença ou para o Doente?

Olhar para a Doença ou para o Doente?

Postado por PATRIZIA GARDONA 

Pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará.

Paulo

Há pessoas que precisam da doença?

Infelizmente sim!

A Síndrome de Münchhausen é uma doença psiquiátrica em que o paciente, de forma convulsiva, deliberada e contínua, causa, provoca ou simula sintomas de doenças, sem outro objetivo senão o de obter atenção e cuidados médicos. Diferencia-se da hipocondria, em que o paciente acredita ter a doença. O portador de Münchhausen provoca a doença.

André Luiz, em seu livro Nos Domínios da Mediunidade, refere-se especificamente a essa situação, ensinando-nos que milhares de pessoas são assim. Elas apresentam sintomas de doenças de etiologias diversas e a elas se apegam e se adaptam, porque se sentem mais seguras e acomodadas.

Reclamam aos quatro cantos da moléstia de que se fazem portadoras. No entanto, se essas doenças lhes são subtraídas, sentem-se vazias e padecentes, voltando a apresentar sintomas e impressões que evocam essas enfermidades. Precisam cultivar a posição de vítimas, na qual se comprazem.

***

A esse respeito, a título de ilustração, quero lhes trazer, resumidamente, um curioso diálogo que extraí de vídeo de autoria de Fábio de Luca, dos formidáveis meninos do Humor e Espiritismo, denominado O Entrega Dor.

Um entregador, abarrotado de caixas, toca a campainha de um apartamento:

— Oi — diz o proprietário.

— Oi, o senhor é Samuel Teixeira Rodrigues? — diz o entregador, quase não suportando o peso das encomendas.

—Encomenda para o senhor.

— Deve estar havendo algum engano, eu não fiz nenhum pedido.

Pegando a relação de encomendas, Samuel começa a ler:

— Dificuldade, problema, infortúnio, dor…. Eu não pedi nada disso. Você acha que estou maluco de pedir essas coisas ruins?

— Meu irmão! Não há nada de errado aqui não. Você conhece a lei de causa e efeito? Você encomenda problema, quando causa problema. Sua encomenda chegou!

— Mas, eu não quero esses troços aqui não…

— Então pare de culpar os outros e encomende coisas melhores.

— Mas, como é que faço isso?

— Tendo bons pensamentos. Se você só pensa em rancor, ódio e tristeza, o que você acha que vai bater na sua porta?

— Tudo bem. A partir de agora vou ter pensamentos mais saudáveis, praticar boas ações, enfim, vou me controlar mais…

— Ok, assim você receberá coisas boas. Mas, isto aqui, meu irmão, já estava encomendado, é tudo seu.

Cena seguinte, o entregador deixa todos os bagulhos na porta de Samuel e vai embora.

***

Como superar esses desequilíbrios?

Responde André Luiz:

Dores maiores são chamadas a funcionar sobre as dores menores, com objetivo de acordar almas viciadas.

***

Não te detenhas em demasia sobre mágoas, doenças, pesadelos, profecias temerárias e impressões infelizes. Não é preciso atravessar a sombra do túmulo para encontrar a justiça, face a face. Nos princípios de causa e efeito, achamo-nos incessantemente sob a orientação dela, em todos os instantes de nossa vida.

Emmanuel

Esta entrada foi publicada em A Família, Artigos, Ciência, Dependência Química, Espiritismo, Sexualidade, Transição. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *