O Suicídio

O CÉU E O INFERNO SEGUNDO O ESPIRITISMO – 2ª PARTE – CAPÍTULO V –

SUICIDAS –

O SUICIDA DA SAMARITANA –

A 7 de abril de 1858, pelas 7 horas da noite, um homem de cerca de 50 anos e decentemente trajado apresentou-se no estabelecimento da Samaritana, de Paris, e mandou que lhe preparassem um banho. Decorridas cerca de 2 horas, o criado de serviço, admirado pelo silêncio do freguês, resolveu entrar no seu gabinete, a fim de verificar o que ocorria. Deparou-se-lhe então um quadro horroroso: o infeliz degolara-se com uma navalha e todo o seu sangue misturava-se à água da banheira. E como a identidade do suicida não pôde ser averiguada, foi o cadáver removido para o necrotério.

1. – Evocação. (Resposta do guia do médium.) – Esperai, ele aí está.

2. – Onde vos achais hoje? – R. Não sei… dizei-me.

3. – Estais numa reunião de pessoas que estudam o Espiritismo e que são benévolas para convosco. – R. Dizei-me se vivo, pois este ambiente me sufoca. Nota – Sua alma, posto que separada do corpo, está ainda completamente imersa no que poderia chamar-se o turbilhão da matéria corporal; vivazes lhe são as ideias terrenas, a ponto de se acreditar encarnado.

4 – Quem vos impeliu a vir aqui? – R. Sinto-me aliviado.

5. – Qual o motivo que vos arrastou ao suicídio? – R. Morto? Eu? Não… que habito o meu corpo… Não sabeis como sofro! …Sufoco-me… Oxalá que mão compassiva me aniquilasse de vez!

6. – Por que não deixastes indícios que pudessem tornar-vos reconhecível? – R. Estou abandonado; fugi ao sofrimento para entregar-me à tortura.

7. – Tendes ainda os mesmos motivos para ficar incógnito? – R. Sim; não revolvais com ferro candente a ferida que sangra.

8. – Podereis dar-nos o vosso nome, idade, profissão e domicilio? – R. Absolutamente não.

9. – Tínheis família, mulher, filhos? – R. Era um desprezado, ninguém me amava.

10. – E que fizestes para ser assim repudiado? – R. Quantos o são como eu!… Um homem pode viver abandonado no seio da família, quando ninguém o preza.

11. – No momento de vos suicidardes não experimentastes qualquer hesitação? – R. Ansiava pela morte… Esperava repousar.

12. – Como é que a ideia do futuro não vos fez renunciar a um tal projeto? – R. Não acreditava nele, absolutamente. Era um desiludido. O futuro é a esperança.

13. – Que reflexões vos ocorreram ao sentirdes a extinção da vida? – R. Não refleti, senti… Mas a vida não se me extinguiu… minha alma está ligada ao corpo… Sinto os vermes a corroerem-me.

14. – Que sensação experimentastes no momento decisivo da morte? – R. Pois ela se completou?

15. – Foi doloroso o momento em que a vida se vos extinguiu? – R. Menos doloroso que depois. Só o corpo sofreu.

16. – (Ao Espírito S. Luís.) – Que quer dizer o Espírito afirmando que o momento da morte foi menos doloroso que depois? – R. O Espírito descarregou o fardo que o oprimia; ele ressentia a volúpia da dor.

17. – Tal estado sobrevém sempre ao suicídio? – R. Sim. O Espírito do suicida fica ligado ao corpo até o termo dessa vida. A morte natural é a libertação da vida: o suicídio a rompe por completo.

18. – Dar-se-á o mesmo nas mortes acidentais, embora involuntárias, mas que abreviam a existência? – R. Não. Que entendeis por suicídio? O Espírito só responde pelos seus atos. Nota – Esta dúvida da morte é muito comum nas pessoas recentemente desencarnadas, e principalmente naquelas que, durante a vida, não elevam a alma acima da matéria. É um fenômeno que parece singular à primeira vista, mas que se explica naturalmente. Se a um indivíduo, pela primeira vez sonambulizado, perguntarmos se dorme, ele responderá quase sempre que não, e essa resposta é lógica: o interlocutor é que faz mal a pergunta, servindo-se de um termo impróprio. Na linguagem comum, a ideia do sono prende-se à suspensão de todas as faculdades sensitivas; ora, o sonâmbulo que pensa, que vê e sente, que tem consciência da sua liberdade, não se crê adormecido, e de fato não dorme, na acepção vulgar do vocábulo. Eis a razão por que responde não, até que se familiariza com essa maneira de apreender o fato. O mesmo acontece com o homem que acaba de desencarnar; para ele a morte era o aniquilamento do ser, e, tal como o sonâmbulo, ele vê, sente e fala, e assim não se considera morto, e isto afirmando até que adquira a intuição do seu novo estado. Essa ilusão é sempre mais ou menos dolorosa, uma vez que nunca é completa e dá ao Espírito uma tal ou qual ansiedade. No exemplo supra ela constitui verdadeiro suplício pela sensação dos vermes que corroem o corpo, sem falarmos da sua duração, que deverá equivaler ao tempo de vida abreviada. Este estado é comum nos suicidas, posto que nem sempre se apresente em idênticas condições, variando de duração e intensidade conforme as circunstâncias atenuantes ou agravantes da falta. A sensação dos vermes e da decomposição do corpo não é privativa dos suicidas: sobrevém igualmente aos que viveram mais da matéria que do espírito. Em tese, não há falta isenta de penalidades, mas também não há regra absoluta e uniforme nos meios de punição.

O PAI E O CONSCRITO

No começo da guerra da Itália, em l859, um negociante de Paris, pai de família, gozando de estima geral por parte dos seus vizinhos, tinha um filho que fora sorteado para o serviço militar. Impossibilitado de o eximir de tal serviço, ocorreu-lhe a ideia de suicidar-se a fim de o isentar do mesmo, como filho único de mulher viúva. Um ano mais tarde, foi evocado na Sociedade de Paris a pedido de pessoa que o conhecera, desejosa de certificar-se da sua sorte no mundo espiritual. (A S. Luís.) – Podereis dizer-nos se é possível evocar o Espírito a que vimos de nos referir? – R. Sim, e ele ganhará com isso, porque ficará mais aliviado.

1. – Evocação. – R. Oh! obrigado! Sofro muito, mas… é justo. Contudo, ele me perdoará.

Nota – O Espírito escreve com grande dificuldade; os caracteres são irregulares e mal formados; depois da palavra mas, ele para, e, procurando em vão escrever, apenas consegue fazer alguns traços indecifráveis e pontos. É evidente que foi a palavra Deus que ele não conseguiu escrever.

2. – Tende a bondade de preencher a lacuna com a palavra que deixastes de escrever. – R. Sou indigno de escrevê-la.

3. – Dissestes que sofreis; compreendeis que fizestes muito mal em vos suicidar; mas o motivo que vos acarretou esse ato não provocou qualquer indulgência? – R. A punição será menos longa, mas nem por isso a ação deixa de ser má.

4. – Podereis descrever-nos essa punição? – R. Sofro duplamente, na alma e no corpo; e sofro neste último, conquanto o não possua, como sofre o operado a falta de um membro amputado.

5. – A realização do vosso suicido teve por causa unicamente a isenção do vosso filho, ou concorreram para ele outras razões? – R. Fui completamente inspirado pelo amor paterno, porém, mal inspirado. Em atenção a isso, a minha pena será abreviada.

6. – Podeis precisar a duração dos vossos padecimentos? – R. Não lhes entrevejo o termo, mas tenho certeza de que ele existe, o que é um alivio para mim.

7. – Há pouco não vos foi possível escrever a palavra Deus, e no entanto temos visto Espíritos muito sofredores fazê-lo: será isso uma consequência da vossa punição? – R. Poderei fazê-lo com grandes esforços de arrependimento.

8. – Pois então fazei esses esforços para escrevê-lo, porque estamos certos de que sereis aliviado. (O Espírito acabou por traçar esta frase com caracteres grossos, irregulares e trêmulos: – Deus é muito bom.)

9. – Estamos satisfeitos pela boa-vontade com que correspondestes à nossa evocação, e vamos pedir a Deus para que estenda sobre vós a sua misericórdia. – R. Sim, obrigado.

10. – (A S. Luís.) – Podereis ministrar-nos a vossa apreciação sobre esse suicídio? – R. Este Espírito sofre justamente, pois lhe faltou a confiança em Deus, falta que é sempre punível. A punição seria maior e mais duradoura, se não houvera como atenuante o motivo louvável de evitar que o filho se expusesse à morte na guerra. Deus, que é justo e vê o fundo dos corações, não o pune senão de acordo com suas obras. OBSERVAÇÕES – À primeira vista, como ato de abnegação, este suicídio poder-se-ia considerar desculpável. Efetivamente assim é, mas não de modo absoluto. A esse homem faltou a confiança em Deus, como disse o Espírito S. Luís. A sua ação talvez impediu a realização dos destinos do filho; ao demais, ele não tinha a certeza de que aquele sucumbiria na guerra e a carreira militar talvez lhe fornecesse ocasião de adiantar-se. A intenção era boa, e isso lhe atenua o mal provocado e merece indulgência; mas o mal é sempre o mal, e se o não fora, poder-se-ia, escudado no raciocínio, desculpar todos os crimes e até matar a pretexto de prestar serviços. A mãe que mata o filho, crente de o enviar ao céu, seria menos culpada por tê-lo feito com boa intenção? Aí está um sistema que chegaria a justificar todos os crimes cometidos pelo cego fanatismo das guerras religiosas. Em regra, o homem não tem o direito de dispor da vida, por isso que esta lhe foi dada visando deveres a cumprir na Terra, razão bastante para que não a abrevie voluntariamente, sob pretexto algum. Mas, ao homem –  visto que tem o seu livre- arbítrio – ninguém impede a infração dessa lei. Sujeita-se, porém, às suas consequências. O suicídio mais severamente punido é o resultante do desespero que visa a redenção das misérias terrenas, misérias que são ao mesmo tempo expiações e provações. Furtar-se a elas é recuar ante a tarefa aceita e, às vezes, ante a missão que se deverá cumprir. O suicídio não consiste somente no ato voluntário que produz a morte instantânea, mas em tudo quanto se faça conscientemente para apressar a extinção das forças vitais. Não se pode tachar de suicida aquele que dedicadamente se expõe à morte para salvar o seu semelhante: primeiro, porque no caso não há intenção de se privar da vida, e, segundo, porque não há perigo do qual a Providência nos não possa subtrair, quando a hora não seja chegada. A morte em tais contingências é sacrifício meritório, como ato de abnegação em proveito de outrem. (O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. V, itens nos. 5, 6, 18 e 19.)

Esta entrada foi publicada em Espiritismo. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *