Gostar de si mesmo é essencial.

Moab José de Araújo e Sousa

São Luiz, MA – maio de 2005.

Meus amigos,

Existem pessoas que adoram e até mesmo acham bonito sofrer. Aproveitam qualquer oportunidade para desfiarem um rosário de queixas e de lamentações. Suas dificuldades são as maiores do mundo. Entretanto, não movem um dedo sequer para mudar o curso de suas vidas. Esquecem-se, de que todos – ou quase todos -, sofrem, mas que poucos sabem como sofrer: com resignação.

Assim, tornam-se infelizes, mal-humoradas e pessimistas. Carregam consigo uma aura negativa espalhando tristeza, discórdia, pessimismo e infelicidade por onde passam. Transformam-se em verdadeiras catástrofes ambulantes.

Acreditam – é bem mais fácil para elas -, que os seus infortúnios sejam culpa dos outros, ou da má sorte que as perseguem. Não trabalham seus projetos de vida e têm, como referencial, a felicidade que acreditam outros possam estar desfrutando. Desorientadas, buscam a felicidade em tudo e em todos, menos onde deveriam procurar: nelas próprias.

Ainda não perceberam que os problemas não estão fora, mas dentro delas, bem como as soluções, diga-se de passagem. Que não são os únicos seres humanos a passarem por provações e dificuldades. Que muitos vivem situações iguais ou até mesmo piores. Assim, fechadas em si mesmas, perdem a noção da realidade e da vida, tornando-se profundamente egocêntricas.

Quase sempre, são criaturas que têm uma baixa auto-estima. Não se amam, não acreditam em suas potencialidades, naquilo de que são capazes. E quem não gosta de si mesmo, não gosta de ninguém. Quando disse “Ama a teu próximo como a ti mesmo”, Jesus, em outras palavras, disse: o amor que tens por ti, é o mesmo amor que deves ter pelo teu próximo.

Amar a nós mesmos é aceitar tanto a luz quanto as sombras que em nós existem. Em sua obra, O Ser Fragmentado, o frei Ansel Grün, sobre isso diz: “Aquele que conhece sua sombra lidará com mais cuidado consigo mesmo e questionará mais criticamente suas próprias motivações. Cessará de projetar seus lados de sombra em outros povos ou no vizinho ao lado, e lidará de forma mais benéfica com as pessoas de seu entorno”.

Antes de gostarmos dos outros é necessário gostarmos de nós mesmos. Quando nos amamos, desejamos para nós somente o que é bom, o que faz bem, o que é prazeroso. Estando de bem com nós mesmos, felizes e auto-realizados, passamos a desejar aos outros, também, somente o que for bom e positivo. Felizes, queremos compartilhar com todos a nossa felicidade.

Em qualquer lugar, seremos sempre aquilo que pensamos acerca de nós próprios – isto é auto-estima. É reconhecer que temos direito à felicidade. Que o nosso destino não é obra do acaso, mas fruto das nossas escolhas.  Não é algo que ganhamos, como uma dádiva ou um castigo, mas sim, algo que conquistamos diariamente.

Paz para todos!
Artigo recebido com autorização de reprodução

Esta entrada foi publicada em Artigos. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *