Então é Natal: ame como Jesus amou!

Então é Natal: ame como Jesus amou!

Maria Lúcia Garbini Gonçalves

Apesar de as famílias não poderem se reunir neste Natal devido a COVID-19; apesar de que muitas vidas foram perdidas; apesar de que não podemos abraçar todos que amamos, não há de se negar que a imorredoura psicosfera de união e bons sentimentos renasceu persistente em nossos corações, como uma phoenix renascida das cinzas. Um sentimento todo especial brotou neste Natal, pois as perdas que temos tido nos amadureceu mais, nos aproximou espiritualmente mais uns dos outros e do Aniversariante. E as árvores de Natal brilham ainda nas janelas.

Jesus continua a renascer em nós a cada Natal. E na medida em que vamos evoluindo, nossos Natais irão se sublimando até que acabaremos vivenciando-o no dia a dia naturalmente, e um dia acabaremos com a conclusão que o apóstolo Paulo chegou: “Já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim.”. Foi exatamente por isso que Cristo encarnou, o que não é pouco, aliás, é tudo para nós. Ele mudou o curso da história e está nos salvando a cada instante de nossa vida.

A humanidade está no esforço de agir como Jesus agiu há mais de dois milênios, e ainda temos muito, muito a caminhar.

O Evangelho Segundo o Espiritismo, ou a Boa Nova nos apresenta 28 capítulos, que são um roteiro para conseguirmos que o Cristo viva em nós. Vejamos nesta síntese das sínteses:

Capítulo 1: Não vim destruir a Lei, aqui Jesus afirma que não encarnou aqui para contradizer o que Deus enviou através de Moisés, mas ao contrário, veio dar cumprimento às Leis de Deus. Leia-se para nós: devemos seguir os dez mandamentos, simples assim.

Capítulo 2: Meu Reino Não é deste Mundo. Aqui nos sugere que a vida futura deve ser a nossa principal preocupação, pois o nosso destino é sermos anjos.

Capítulo 3: Há Muitas Moradas Na Casa de Meu Pai. A nossa parte aqui é lembrar que este mundo material não é o único, que existem outros mundos habitados e que o nosso estado mental nos leva ao céu ou ao inferno, depende de nossas escolhas.

Capítulo 4: Ninguém Pode Ver o Reino De Deus Se Não Nascer de Novo. Nós somos Espíritos vivendo num corpo material denso e reencarnamos muitas vezes para evoluirmos espiritualmente. Esse é o modo como chegaremos ao Reino de Deus e então que honremos a vida que temos, sem perder tempo sagrado.

Capítulo 5: Bem-aventurados os aflitos. Assim como Jesus sofreu na Cruz e não reagiu e resignou-se, nós temos que fazer o mesmo, aceitar a dor, pois ela está nos curando, e somos os únicos responsáveis por ela. Este é o mais longo capítulo, uma receita para a dor, melhor que qualquer remédio feito pelo ser humano.

Capítulo 6: O Cristo Consolador. O Jugo Leve. Se nos esforçarmos para ser mansos e humildes de coração encontraremos repouso para a nossa alma e o sofrimento será menor. O Consolador Prometido, O Espírito da Verdade está codificado por Allan Kardec, à nossa disposição para que tiremos todas as nossas dúvidas, relembrando o que Jesus nos disse.

Capítulo 7: Bem-Aventurados os Pobres de Espírito. Novamente é ressaltada a importância da Humildade. A pessoa que é humilde é alguém muito lógico, pois sabe que nada sabe. Aqui fica a lição da importância de combatermos o nosso orgulho e vaidade.

Capítulo 8: Bem-Aventurados os Puros de Coração. A pureza do Coração é inseparável da simplicidade e da humildade. Quando somos assim, somos puros como as criancinhas, que não julgam e aceitam os semelhantes.

Capítulo 9: Bem-Aventurados os Mansos e Pacíficos. Esses herdarão a Terra regenerada, a caminho da Luz, tendo o Mestre como o norte.

Capítulo 10: Bem-Aventurados os que São Misericordiosos. Aqui aprendemos o valor do perdão e do não julgar, pois todos nós somos pecadores.

Capítulo 11: Amar o Próximo Como a Si Mesmo. Essa é a Lei do Amor que resume todos os capítulos, se amarmos o próximo de verdade, estaremos fazendo como Jesus fez, deixando Ele viver em nós e as outras virtudes aflorarão naturalmente.

Capítulo 12: Amem os Seus Inimigos. Somos convidados a pagar o mal com o bem, evitando duelos, ódio e vingança.

Capítulo 13: Que sua Mão Esquerda Não Saiba o Que faz a Sua Mão Direita. A caridade, a Beneficência e a Piedade nasce nos corações puros e são silenciosas e eficazes. Sejamos assim.

Capítulo 14: Honrar o Pai e a Mãe. Temos a nossa família espiritual que é fácil de amar, mas temos também a carnal, a qual devemos aprender a respeitar e amar, pois é a melhor possível para o nosso crescimento espiritual, escolhida por Deus.

Capítulo 15: Fora da Caridade Não Há Salvação. Quem é bom faz a caridade e quem não se esforça para isso, não encontrou o caminho do amor. É justo, pois faz para o outro o que deseja para si próprio. Aqui neste capítulo entende-se a abrangência da caridade, que não é somente dar-se esmola a alguém.

Capítulo 16: Não se Pode Servir a Deus e a Mamon. O homem rico é apenas o depositário da fortuna que Deus lhe permite, pois ao desencarnar o que conta são as virtudes que conquistou com ela. O mundo material, do dinheiro, não pode ser mais importante que as pessoas e os sentimentos.

Capítulo 17: Sejam Perfeitos. O homem de bem, semeia o amor. Jesus disse que bom mesmo era o seu Pai. Aconselha-nos a sermos perfeitos como o Pai Celestial, que cuidemos de nosso corpo e de nossa alma.

Capítulo 18: Muitos são os Chamados e Poucos os Escolhidos. Aqui aprendemos que o Reino de Deus é para os que escolhem a porta estreita, que é a da salvação e que demanda grandes esforços de autoconhecimento para nos tornarmos homens de bem.

Capítulo 19: A Fé que Transporta Montanhas. Precisamos cultivar a fé, que, segundo Jesus, se fosse do tamanho do grão de mostarda teríamos o poder de remover uma montanha.

Capítulo 20: Os Trabalhadores da Última Hora. São chegados os tempos de transformação da Humanidade. Os que acordaram para a caridade e humildade conquistarão um lugar na Nova Era do nosso planeta, são os Trabalhadores do Senhor.

Capítulo 21: Haverá Falsos Cristos e Falsos Profetas. Hora em que os escolhidos deverão vigiar para não acreditar em falsos profetas, distinguindo as árvores de Deus que dão bons frutos.

Capítulo 22: Não separem o que Deus uniu. Os matrimônios por amor entre um casal é o desejável por Deus.

Capítulo 23: Estranha Moral: Seguir Jesus é um compromisso com Deus que poderá nos fazer optar por caminhos que às vezes poderão nos levar a separações dolorosas, mas necessárias, assim como o Mestre foi à Cruz porque não renunciaria a Deus.

Capítulo 24: Não Coloquem a Candeia Debaixo do Alqueire. Jesus falava por parábolas para que o povo o entendesse, a regra de amor ao próximo deve ser clara para iluminar a todos.

Capítulo 25: Busquem e Vocês Encontrarão. Devemos nos esforçar para remover as pedras de nosso caminho, mas Deus nos dará a força necessária vinda dos Céus.

Capítulo 26: Dar de Graça o que de Graça se Recebe. A mediunidade é uma missão sagrada que deve ser praticada com muita dignidade, e, sobretudo, de graça.

Capítulo 27: Pedir e Receber. A nossa prece deve ser feita humildemente e de coração.

Capítulo 28: Coletânea de Preces Espíritas. Tenhamos consciência de como oramos.

Estudar esse Evangelho, o que Jesus nos falou, não é tarefa fácil nem terminará nesta nossa encarnação, pois à medida que lermos novamente, novos entendimentos apreenderemos, por isso temos tantas obras aprofundando cada frase que Jesus falou.

Mas é Natal! Que cada alma, mesmo que sozinha, na noite de aniversário de Nosso Senhor Jesus Cristo, lembre que Ele nos ensinou o caminho, a verdade e a vida. Ele foi a mais bela lição de amor que a humanidade teve e não desiste de nós, está no leme deste barco chamado Terra.

Maria Lúcia Garbini Gonçalves
Fonte: Agenda Espírita Brasil

Esta entrada foi publicada em A Família, Artigos, Ciência, Espiritismo, Transição. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta