A SAUDADE COMO UM BÁLSAMO DE LUZ

A SAUDADE COMO UM BÁLSAMO DE LUZ

Adriana Machado

Um dia, eu estava sentindo muita saudade de alguém especial e percebi que isso trazia muita tristeza ao meu coração.

Chorei um pouco em razão das lembranças que parecem estar sempre vinculadas à saudade e que, por vezes, maltratam o espírito e que nos fazem perceber que poderíamos ter aproveitado melhor a presença daquela pessoa que nos era, ou ainda é, tão preciosa.

Em determinado momento daquele processo de dor, tive a benção de poder escutar um espírito amigo que me disse: “Que bom que você sente saudade!” Eu respondi no impulso: “Mas, ela me entristece, me traz dor…” Então, ele continuou: “Mas, ela demonstra que o amor que vocês construíram nesta existência fez valer cada experiência vivida. Você preferiria não tê-la em sua vida só para evitar agora a dor da separação? Sentir tristeza é natural, tente somente não exacerbar o sofrimento alimentado por você nestes momentos”.

Eu nunca tinha pensado assim. Eu sabia, por já me ter sido explicado antes, que o sofrimento era uma escolha minha (já até comentei em outros artigos desse blog), mas pensar que a saudade era um reflexo de algo maravilhoso, nunca!

Quantas vezes nos deparamos com situações que nos fazem sentir como se o mundo ao nosso redor estivesse desabando e não sobreviveríamos a mais um dia? Quantas vezes, alimentamos um sofrimento desenfreado por acreditarmos que aquela “perda” foi um golpe da vida contra nós?

Se pudéssemos compreender que todas essas intempéries são alavancas para o crescimento de nosso ser, talvez, não nos sentíssemos tão desamparados!

Pensando na mensagem daquele amigo espiritual, a saudade é um momento de luz que, na maioria das vezes, transformamos em trevas através do sofrimento. Se entendermos que a saudade é o resultado positivo de nossos sentimentos pelo outro, que não está mais tão perto de nós, e que foi construída em razão de nossos esforços coletivos e diários para nos superarmos naquilo que ainda não compreendemos ou não colocamos em prática, talvez a possamos ver como um momento gratificante de nosso viver e não sofrer tanto por isso.

E não estou falando somente de sentir saudade de pessoas queridas, que desencarnaram ou estão longe de nós, mas também de lugares, de situações que vivemos e que gostaríamos de vivenciar mais um pouquinho, por nos ter feito sentir muito bem.

A saudade é um aviso nosso para nós mesmos dizendo que conseguimos amar alguém, que conseguimos viver um momento ou uma circunstância em que nos permitimos sentir a felicidade, nos sentir mais realizados, mais donos de nossos destinos…

A saudade é como um alerta para nós daquilo que realmente vale a pena termos em nossa vida, não como um retorno ao passado, mas como uma viagem ao futuro com o ser modificado que já nos transformamos, e com as pessoas e circunstâncias que nos são de grande valor e que estão conosco em nosso presente.

A saudade é como um sentimento que nos assola, vez por outra, para nos lembrar que podemos fazer algo que antes não nos sentíamos capazes de fazer (amar esse alguém) e que agora já é passível de ser vivenciado mais e mais se assim o desejarmos (viver, dividindo com o outro ou consigo mesmo aquilo que nos completa).

Mas, enquanto não aprendermos que o sofrimento é diferente da dor, que aquele é uma construção pessoal e que a sua intensidade somos nós que determinamos, ainda não conseguiremos enxergar a luz que se dá a cada momento da saudade.

Quem já não sorriu quando teve lembranças de momentos vivenciados com alguém que já se “foi”? Esse é um momento de luz! Quem já não agradeceu a Deus por ter tido essa pessoa em sua vida, apesar de agora ela não poder mais estar ao seu lado? Esse é um outro momento de luz! Quem não fez outros planos para adaptar a sua vida a uma circunstância baseada na saudade dos sentimentos vivenciados? Tudo isso é luz! Tudo isso nos traz saudades e, se desejarmos, também a felicidade.

Quero deixar claro que, em nenhum momento, devemos nos criticar ou julgar por sentirmos tristeza pela ausência de quem amamos ou pela impossibilidade de vivenciarmos aquela circunstância que desejamos uma vez mais em nossa vida, isso é natural. Contudo, que não transformemos a saudade em um momento de sofrimento, e sim a enxerguemos como uma reação que nos leva a valorizar tudo aquilo que foi importante para nós e ainda é.

“A saudade é um bálsamo de luz, quando bem a entendemos”, – disse-me um espírito amigo.

 Adriana Machado

Fonte:  Adriana Machado

Esta entrada foi publicada em A Família, Artigos, Ciência, Espiritismo, Sexualidade, Transição. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta