A caridade mais urgente

A caridade mais urgente

Wellington Balbo – Bauru – SP

 Outro dia um amigo me confidenciou:

 – Sabe, Wellington, habituamo-nos, eu, meus filhos e esposa a praticar o Evangelho no Lar. Reunimo-nos todos os domingos e fazemos o estudo evangélico em nossa casa há mais ou menos uns 3 anos. Os benefícios foram grandes, não há o que discutir. Mas interessante é que meu filho caçula de 10 anos de tanto escutar a palavra caridade em nossos estudos, resolveu propor:

 – Papai, vamos colocar em prática aquilo que aqui estudamos. Vamos praticar a caridade. Gostaria muito de visitar os velhinhos, pode ser na Vila Vicentina (Instituição na cidade de Bauru que cuida de idosos). Vamos começar a ir até lá, papai.

 E prosseguiu o amigo a comentar:

  – Fiquei envergonhado com a proposta de meu filho. Embora eu os ensinasse os princípios cristãos, estava longe, muito longe de praticá-los. Precisei ser alertado pelo garoto de que a caridade que eu tanto falava, para mim restringia-se apenas a uma palavra solta, sem sentimentos e proferida maquinalmente em nossos estudos domingueiros. Como você sabe, não irei aqui discorrer sobre os caracteres da caridade que são muito mais abrangente do que uma visita aos domingos, mas, confesso que fiquei mesmo envergonhado. Foi então que começamos a visitar os velhinhos. Isto já faz 1 ano. Garanto a você: recebemos muito mais do que damos, pois nessas visitas aprendemos na prática que o tempo corre célere e a contagem na Terra é regressiva, meu amigo. Um dia partiremos daqui e poderemos enfrentar a enfermidade, dor, solidão, como tantos por ai. Constatei o quão bom tornou-se essa prática em família. Estamos mais unidos, juntos e, aprendendo, de fato, que se hoje gozamos de saúde amanhã poderá ser diferente. Meus três filhos, todos em idade adolescente estão vivenciando isso e posso afirmar que mudanças significativas operaram-se no comportamento de todos eles depois desta simples prática de visitar alguém. Parece que a vida tomou um outro sentido, mais profundo, amplo. Atualmente, meu amigo, dedicamos o domingo literalmente ao seguinte trabalho: aula prática à tarde (visita aos velhinhos) e teórica à noite com o estudo evangélico.

 Ao escutar todo o fato narrado pelo amigo minhas reflexões fizeram-se mais agudas no tocante à caridade em sua forma primeira que é atender o próximo em suas necessidades mais urgentes.

Lembrei-me então de uma história que consta na obra O Semeador de Estrelas de Suely Caldas Schubert.

E conta ela que certa vez o médium baiano Divaldo Franco encontrava-se desanimado, pois o ambiente era desolador. Estavam com 16 doentes em um local pequeno onde não mais cabia gente e o médium questionava-se: O que fazer, meu Deus?

Dr. Bezerra de Menezes veio em seu socorro e narrou interessante episódio:

Duas damas muito ricas da sociedade de Moscou, foram ao Teatro Bolshoi. Assistiram a uma peça, uma ópera, que retratava a história de um rei cristão que termina louco.

As duas damas, vendo aquela cena choraram, comoveram-se e todo o teatro também. Quando terminou, elas saíram e encontraram um homem, à porta, pedindo esmola. Uma delas, comovida, tirou o pesado casaco de peles para dar-lhe, pois ele estava sofrendo o frio da noite de Moscou. A outra, porém impediu-lhe o gesto, explicando:

Não faça isso! Quando chegarmos a casa mandaremos cobertores. Seu casaco é muito caro, ele não vai valorizá-lo.

Ela deteve o gesto bom e concluiu:

De fato; você tem razão. Vamos fazer como sugeriu.

Vestiu o casaco novamente, dizendo ao homem:

Daqui a pouco eu lhe mandarei cobertores e agasalhos.

Entraram na carruagem e foram para o palácio. Ao chegarem, tomaram chá com biscoitos, deitaram-se e esqueceram o necessitado. Pela manhã, a dama generosa lembrou-se do mendigo e chamando um lacaio recomendou-lhe que levasse os cobertores. Quando este chegou ao local o homem estava morto. Morrera congelado pela madrugada.

 E explicou o médico dos pobres:

 – Enquanto se discute a caridade o sofredor morre ao abandono. A caridade tem que ser o socorro do momento, depois discute-se o que fará.

 Maravilha de lembrança do notável Dr. Bezerra.

Quanta gente necessita dessa caridade imediata, urgente, sem tempo a perder.

De um ouvido amigo, da visita carinhosa, da palavra encorajadora, do abrigo que protege, do abraço que tranqüiliza, do telefonema que apazigua as emoções, da sopa servida em tantas instituições espíritas ou não espalhadas pelo país.

Quanta coisa pode ser feita para amainar corações dilacerados pela dor da enfermidade física ou mesmo moral. As oportunidades de praticar essa caridade urgente são imensas para não dizer infinitas.

Coloquei-me a pensar na família de meu amigo e na sugestão de seu filho: um gesto simples: visita aos idosos. Que beleza! Fico a imaginar os benefícios advindos de uma iniciativa primária, porém profunda como esta e que une toda a família em torno de um objetivo nobre:

Exercitar o amor!

Aquela família compreendeu que a teoria é importante – o estudo do Evangelho no Lar – mas ela não prescinde da prática.

Aliaram essas duas maravilhas de Deus – teoria e prática, e hoje gozam, segundo comentário do próprio amigo, de uma inefável sensação de bem estar.

Benditos aqueles que já compreenderam esta máxima e dedicam-se a prática do bem e da caridade!

 Wellington Balbo 

Esta entrada foi publicada em A Família, Artigos, Espiritismo. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *