Divaldo P. Franco – Transição

Entrevistas com Divaldo Franco

(Do site: www.uevc.com.br)

Entrevista concedida por Divaldo Franco ao Jornal Oásis, de Vitória da Conquista – Bahia
OÁSIS – Como analisar a situação conturbada do mundo atual, frente ao processo de transição que o Planeta está vivendo, rumo ao estágio de Mundo de Regeneração, como prega o Espiritismo?DIVALDO – A conturbação que agita o nosso planeta é resultado dos fenômenos da grande transição de mundo de provas e de expiações para mundo de regeneração, quando são aferidos os valores éticos legítimos em relação àqueles habituais e degenerativos, aos quais as criaturas humanas têm-se apegado.

Segundo a abalizada opinião dos Espíritos nobres a situação ainda se fará mais aflitiva em decorrência da teimosia humana em eleger as sensações vis em detrimento das emoções libertadoras, as heranças do primarismo opondo-se às bênçãos da evolução.

Logo depois, virá a grande paz pela qual todos anelamos.

OÁSIS – Na recepção do livro TRANSIÇÃO PLANETÁRIA, ditado pelo venerando Espírito Manoel P. de Miranda, o que mais lhe chamou a atenção naquela gama de informações esclarecedoras?

DIVALDO – O que mais me sensibilizou enquanto psicografava a obra citada, foi perceber o amor  que o Pai a todos nos oferece, especialmente àqueles que, sequer, vinculam-se-Lhe de alguma forma. O socorro que os Espíritos superiores vão oferecer às vítimas do tsunami no oceano índico, me fascinou, constatando a união de diversos credos representados pelos Espíritos amorosos que se uniram para servir aos seus irmãos em sofrimento.

OÁSIS – A depressão é um dos grandes males que assolam a humanidade nos dias atuais. Qual a sua relação com a obsessão espiritual e como combatê-la?

DIVALDO – Acredito, pessoalmente, que em todo transtorno depressivo existe uma influência obsessiva, que o desencadeia ou que o aumenta. Sendo o Espírito encarnado o endividado, a consciência deculpa torna-se um dos fatores psicogênicos para a instalação do distúrbio psicológico, ampliado pela presença do cobrador impenitente, que se permite a loucura da vingança, como se as Soberanas Leis necessitassem que alguém disso se encarregasse.

Desse modo, as terapias preventiva como curativa, devem centrar-se na renovação moral do indivíduo reencarnado, no esforço pela sua auto-iluminarão, no hábito salutar da prece e da caridade, de modo a seguir em paz, reabilitando-se do mal que fez mediante o bem que vem realizando.

OÁSIS – Do ponto de vista da reencarnação, como analisar as pesquisas com células-tronco embrionárias?

DIVALDO – Toda vez quando a ciência encontra recursos para diminuir as aflições humanas, os mesmos são inspirados pelas Esferas superiores da Vida, a fim de que a dor lentamente desapareça da Terra, como sucedeu com o surgimento da anestesia, da assepsia, das cirurgias de transplantes, de medicamentos salvadores…

A respeito das células tronco, as possibilidades de minimizar deformidades e regenerar deficiências ou enfermidades várias são imensas, considerando-se a forma como as mesmas se adaptam ao órgão onde são colocadas, alterando a sua configuração de acordo com os impositivos da ação do perispírito do reencarnado na sua contribuição para a saúde e a renovação.

Dia virá em que as mesmas serão aplicadas na maioria dos casos degenerativos e das amputações com excelentes resultados na área da saúde. Mas, caberá sempre aos pacientes a tarefa da transformação moral, a fim de que nada pior lhes venha a acontecer…

OÁSIS – O último livro da benfeitora espiritual Joanna de Ângelis veio com o sugestivo título  ENTREGA-TE A DEUS. Será que é isso que está faltando hoje à nossa sociedade materialista-utilitarista, que busca a felicidade nas coisas transitórias?

DIVALDO – Sem qualquer dúvida, o hedonismo que toma conta da Terra, o imediatismo das sensações e dos gozos, a ânsia pelo ter em detrimento do ser, respondem pela onda de sofrimentos que avassalam os seres humanos.

Nunca houve tanta demonstração do amor de Deus às Suas criaturas como nestes dias. Nada obstante, jamais houve tanta alucinação e ampliação da promiscuidade moral como na atualidade.

Em razão disso, a benfeitora espiritual Joanna de Ângelis escreveu o seu ENTREGA-TE A DEUS, a fim de que o ser humano desperte para a sua realidade imortalista quanto antes.

OÁSIS – Os Espíritos nos dizem que as duas grandes chagas da humanidade são o orgulho e o egoísmo, que engendram tantos males humanos. Por que é tão difícil a conquista do amor e sua vivência?

DIVALDO – No processo da evolução antropológica, o psiquismo esteve mais vinculado ao instinto do que à razão. Nos milhões de anos do seu processo evolutivo, a sensação foi mais desenvolvida do que a emoção. Somente a menos de sessenta mil anos, é que os sentimentos se vêm apresentando e bem mais recentemente surgiu a fase da razão… É natural que haja predominância da sua natureza animal sobre a natureza espiritual, como bem acentua o Codificador.

Apesar disso, já vivemos um período em que o egoísmo vai cedendo campo ao altruísmo, permanecendo com mais vigor onde medram a ignorância e a selvageria que, através do tempo, cederão lugar ao conhecimento e ao amor.

OÁSIS – Você inaugurou em 1952 em Salvador,  uma admirável obra sócio-educacional, a Mansão do Caminho, pela qual já passaram milhares de seres e que atende hoje  a 3200 crianças e suas famílias. O que o levou a este empreendimento tão nobre, referência hoje no campo da promoção social humana?

DIVALDO – Aprendi com a veneranda benfeitora Joanna de Ângelis desde os primórdios do nosso relacionamento lúcido, que a educação é o mais notável instrumento da evolução, e que a mesma pode mudar as paisagens tristes da humanidade, abrindo campo para o dever e a conquista do bem.

Assim, num momentoso fenômeno de desdobramento da personalidade em 1948, tive a visão da obra que hoje está concretizada, e ainda recordo-me da voz que me disse, naquela oportunidade em que me encontrava parcialmente fora do corpo e emocionado ante o que via: – Serás educador de almas, este é o ministério que deverás exercer.

Desde aquele momento procurei sintonizar com as propostas psicopedagógicas mais modernas, de modo a adaptar a Instituição às exigências do conhecimento contemporâneo, não me detendo no passado.

OÁSIS – Em suas andanças pelo mundo há tantas décadas, levando o conhecimento espírita, o que tem lhe chamado mais a atenção sobre o comportamento humano?

DIVALDO – O que mais me tem chamado a atenção na convivência com as criaturas é a grandeza da alma (do Espírito) humano. Em todo lugar sempre encontrei carinho e bondade, mesmo entre as pessoas agressivas. Quando sabemos compreendê-las, revelam-nos os sentimentos de amor e do bem que se lhe encontravam adormecidos.

Vale qualquer esforço investir no ser humano.

OÁSIS – Como você vê a realização de eventos espíritas, como a Semana Espírita de Vitória da Conquista, para a divulgação da consoladora mensagem espírita para o grande público?

DIVALDO – Esse trabalho grandioso, que tem vencido décadas de realização, constitui o mais eficiente meio de divulgação da doutrina espírita, porque são utilizados todos os recursos possíveis da grande mídia para fazer que o maior número de pessoas tome conhecimento dos valores incomparáveis do Espiritismo.

Considero a Semana Espírita de Vitória da Conquista, um dos mais grandiosos labores de iluminação coletiva de consciências, que se realiza em nosso país.

Salvador, 06 de Março de 2011

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *