Culto do Evangelho no Lar

Por Warwick Mota

“Onde que se encontrem duas ou mais pessoas reunidas
em meu nome, eu com elas estarei ” – Jesus (Mateus 18:20)

Tornou-se notório nos arraiás espíritas, que há duas formas de se conhecer a Doutrina: uma pelo amor, outra pela dor. Levando-se em consideração o atual estágio do Planeta, a dor ainda tem sido a grande responsável pelo aporte de almas aflitas às Casas Espíritas, que vem em busca e respostas que mudem o norte de suas vidas.

Estes irmãos, após os primeiros contatos, descobrem que a Doutrina Espírita não é em absoluto a chave mágica que promete girar as engrenagens de suas vidas, modificando-as num piscar de olhos, mas sim que esta promove a modificação interior, que é uma doutrina de amor e sobretudo de esclarecimento, que viabiliza a libertação de posturas equivocadas trazendo como consequente lógico a reforma íntima.

É com a familiarização continua dos postulados espíritas, que estes irmãos vão descobrindo aos poucos a necessidade de harmonizarem-se, principalmente em família, pois esta é a mola propulsora, o mecanismo renovador para o desenvolvimento de preceitos cristãos, é principalmente no lar que o homem tem a oportunidade maior de reencontro como os companheiros do passado, é no lar, no seio da família que desenvolve-se o mecanismo de reajustamento e amor ao próximo.

Diante destes primeiros entendimentos, surgem então as primeiras indagações. Onde entra o Culto do Evangelho no Lar neste processo? Como devo fazê-lo? Toda a família pode participar?

O estudo do Evangelho de Jesus realizado no ambiente doméstico, é valiosa ferramenta de aperfeiçoamento, foi sob o aconchego e a simplicidade da casa de Simão Pedro, através dos exemplos do cotidiano que o Mestre Jesus exortou a importância dos valores familiares dando “a casa do homem a qualidade de legitima exportadora de caracteres da vida comum¹”.

Nos diz Joanna de Angelis que, “quando a família ora, Jesus se demora em casa²”. A prece no lar tem um papel fundamental na psicosfera do ambiente doméstico, é entre outras, a oportunidade de agradecimento, a prece em família é poderoso influxo magnético que envolve o lar em eflúvios de luz.

Como toda e qualquer tarefa espírita, o Culto do Evangelho no Lar requer disciplina e seriedade, vontade deliberada por si só nas basta, é necessário entregar-se ao estudo e ao esclarecimento a fim de que, a reunião ocorra de forma natural, sem os mecanicismos e ritos oriundos de outras crenças.

Não há necessidade de um manual que normatize esta reunião familiar, contudo, devem existir regras básicas que norteiem o processo, de modo que, este não se perca em procedimentos inúteis. Um dia e horário fixo deve ser definidos para a realização do Culto, visto que contamos com o concurso do bons espíritos nesta tarefa enobrecedora e que estes não estão a nossa inteira disposição quando se trata da questão de horário.

Chegado então o dia da realização do Culto, desligue pelo menos uma hora antes, os aparelhos de televisão e som, ponha sobre a mesa uma jarra com água pura, faça uma leitura de uma mensagem de caráter edificante para a preparação do ambiente, após a leitura faça a prece inicial e na sequência, abra ao “acaso” uma página de O Evangelho Segundo o Espiritismo, ou se preferir estude-o de forma sistematizada.

O tempo de duração do Culto deve durar entre trinta e sessenta minutos no máximo, para que não se torne monótono ou desinteressante, se tiver crianças em idade de sentarem à mesa é de essencial relevância a participação destas, não se intimide se chegarem visitas inesperadas, explique a o sentido da reunião e convide-as a participarem, se alguém da família se nega a participar, não desanime, se necessário for faça o estudo sozinho, o tempo é senhor da razão e a semente plantada com amor logo dará frutos pela força do exemplo.

Cabe salientar que determinados procedimentos e práticas cabem apenas às Casas Espíritas e que o ambiente doméstico não é o lugar propício para irradiações ou fenômenos mais ostensivos, como a psicofonia por exemplo, o lar em nenhum momento deve ser confundido com Centro Espírita.

Meditar nas palavras do Mestre Jesus pelo menos uma vez por semana junto àqueles que dividem conosco o ambiente familiar, fazer da nossa casa um santuário doméstico, onde possamos compartilhar do exame sempre novo dos problemas que inquietam os nossos entes queridos, é sem dúvida um exercício de sublimação dos valores que permeiam a mais importante célula da sociedade, que é a família.

____________________

1 Jesus no Lar , Cap. 1 Francisco Cândido Xavier, pelo Espírito Neio Lúcio – FEB
2 SOS Família pág. 59 Divaldo Pereira Franco, pelo Espírito Joanna de Angelis

(Artigo Publicado na revista O Espírita Set/Dez 2000 – nº 107)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *