Paulo e os Jogos Olímpicos

O APÓSTOLO PAULO E OS JOGOS OLÍMPICOS

De 5 a 21 de agosto, atletas de mais de 200 países estarão no Rio de Janeiro participando, numa das 42 modalidades esportivas, de mais uma Olimpíada. Os jogos olímpicos tiveram seu início em Olímpia, na Grécia Antiga, ao longo do tempo ampliaram-se para o mundo, promovendo o intercâmbio e o convívio fraterno entre os povos dos cinco continentes.

O que nem todos sabem, ou atentam, é que no Novo Testamento há várias referências aos chamados jogos olímpicos, mais precisamente nas cartas, ou epístolas, do apóstolo Paulo, quem mais levou a mensagem de Jesus a outras terras. O convertido de Damasco faz referência a alguns tipos de esportes nas quatorze missivas a ele atribuídas, notando-se nisso o claro objetivo de facilitar o entendimento dos ensinos do Evangelho e de transmitir orientações às comunidades cristãs de diferentes regiões por meio de algo que lhes era familiar.

Paulo, vale lembrar, nasceu em Tarso, cidade da Turquia, na região histórica da Cilícia, com cerca de 300 mil habitantes, que promovia, de tempos em tempos, competições com diferentes modalidades: corridas, lutas, lançamento de discos, arremesso de dardos… Eram os jogos olímpicos gregos.

O Espírito Emmanuel, no monumental “Paulo e Estêvão”, psicografado por Chico Xavier, edição da Federação Espírita Brasileira, menciona no capítulo “Nas estradas de Jope”, em mais de uma oportunidade, a paixão do apóstolo dos gentios pelos esportes. Como nesta passagem: “Recordava [Paulo], satisfeito, o esporte a que se afeiçoara na cidade natal, tão ao gosto grego em que fora educado, graças à solicitude paterna. Olhos fixos nos cavalos árdegos e velozes, vinham- -lhe à mente as vitórias alcançadas, entre os parceiros de jogos na sua descuidosa adolescência.”

O texto psicografado, se pode dizer assim, preenche uma lacuna no Evangelho, no qual apenas se consegue depreender, sem nenhuma citação específica, a importância que os esportes tiveram na vida do apóstolo, sobretudo na sua juventude como o judeu Saulo, pois, se assim não fosse, homem maduro já convertido no cristão Paulo, não teria deixado transparecer, de maneira tão intensa, tal influência na pregação da Boa Nova.

Retornando à questão das citações contidas nas cartas que evidenciam a marca do esportismo na vida de Paulo, destacamos, como exemplo, esta, quando escreve à sua comunidade grega da cidade portuária de Corinto, fazendo menção a duas modalidades olímpicas, a corrida e a luta: “Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis. E todo aquele que luta de tudo se abstém; eles o fazem para alcançar uma coroa corruptível, nós, porém, uma incorruptível. Pois eu assim corro, não como a coisa incerta: assim combato, não como batendo no ar” (I Coríntios, 9:24-26).

Ou esta, dirigida aos Gálatas, na qual escreve fazendo comparação com as corridas no estádio: “[…] e lhes expus o Evangelho que prego entre os gentios, e particularmente aos que estavam em estima; para que de maneira alguma não corresse ou não tivesse corrido em vão” (Gálatas, 2:2, 5 e 7).

Escrevendo aos habitantes de Filipos: “Prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus” (Filipenses, 3:14).

Aos hebreus: “[…] deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta” (Hebreus, 12:1).

E, já ancião, preso em Roma e condenado à morte, despede-se de Timóteo, escrevendo esta que se tornou uma das suas mais célebres e conhecidas frases, um resumo de sua vida de lutas e superação por amor ao Cristo: “Combati o bom combate, terminei a corrida, guardei a fé” (II Timóteo, 4:7).

Imbuídos do espírito olímpico que nos cerca com maior intensidade nesses dias, que possamos, tal como Paulo, viver como atletas do bem, superando obstáculos e crescendo, com Jesus, um pouco mais a cada dia.

(De: Serviço Espírita de Informações, edição 2262, Julho de 2016; http://www.boletimsei.org.br/?wpfb_dl=511)

Postado por Grupo de Est. Esp. Chico Xavier em 5 agosto 2016 

ACESSE também: http://grupochicoxavier.com.br/por-que-epistolas-de-paulo/

Esta entrada foi publicada em A Família, Artigos, Espiritismo. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *