Quando um não quer, dois não brigam

Quando um não quer, dois não brigam

Postado por Antonio Carlos Navarro 

Durante o embarque de passageiros em rodoviária de uma conhecida cidade brasileira, presenciamos um fato no interior do ônibus que nos chamou a atenção.

Um senhor, aparentemente de meia idade, adentrou o veículo e assumiu, depois de conferir, a poltrona indicada em seu bilhete. Passados alguns minutos, um outro senhor, com idade aparente bem mais avançada, procurando o lugar correspondente ao seu bilhete, parou diante do primeiro e lhe disse:

– Essa poltrona – a da janela – é minha.

De forma pacífica o interpelado respondeu:

– Não, esta poltrona é minha e está de acordo com meu bilhete. Que número consta no seu bilhete?

– Vinte e Seis.

– Então, a do senhor é a do corredor. Estou no lugar certo.

– Não, retrucou de maneira ríspida. Eu pedi e comprei na janela.

– Então houve engano no guichê de vendas, mas não tem problema, não vamos brigar por isso, o senhor pode ficar com o meu lugar. Há outros lugares vazios no ônibus, e me mudarei para um deles.

Não satisfeito, e não querendo “dar o braço a torcer”, aquele senhor ainda insistiu que a poltrona lhe pertencia porque havia solicitado na janela, mas o interpelado, imperturbável, acabou por fechar o assunto dizendo:

– Meu senhor, não há motivos para brigarmos, o senhor deveria resolver o problema no guichê, mas como o ônibus já está em trânsito, pode ficar com a janela que viajo em outro assento.

Bem, ficamos a pensar, quantas e quantas situações como essa se apresentam na vida de relação dos seres humanos, incluindo nós outros, e quantos conseguem manter o equilíbrio emocional com o orgulho sob controle, sem descambar para o bate-boca e para reações agressivas.

O comportamento daquele que tinha razão, na ocorrência acima descrita, foi exemplo de comportamento cristão e uma lição para todos nós que estudamos o Evangelho do Senhor Jesus.

Era espírita? Não o sabemos, mas ficou patente que ele, na prática, atende, perfeitamente, o que preconizou Jesus quando nos orientou:

E se alguém quiser processar-te e tirar-te a túnica, deixa que leve também a capa. (Mateus 5:40)

Assim, se alguém te forçar a andar uma milha, vai com ele duas. (Mateus 5:41)

Dá a quem te pedir e não te desvies de quem deseja que lhe emprestes algo. (Mateus 5:42)

Se a casa for digna, que a vossa paz repouse sobre ela; se, todavia, não for digna, que a paz retorne para vós. (Mateus 10:13)

Pensemos nisso.

Antônio Carlos Navarro

Rede Amigo Espírita

Esta entrada foi publicada em A Família, Artigos, Ciência, Espiritismo, Transição. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *