Entrevista com Reynaldo Leite

Revista Internacional de Espiritismo entrevista Reynaldo Leite.

Rumos vivenciais, em forma de respostas inspiradas pela Doutrina Espírita, abrem novos caminhos.

Mediunidade disciplinada, empatia com o público que o procura, esforço pela divulgação espírita e respostas objetivas aos complexos desafios existenciais fizeram-no querido, respeitado e muito amigo do público.

Sua agenda de palestras, seminários, simpósios, cursos e workshops está sempre muito requisitada, inclusive no exterior. Abordando as próprias experiências e apresentando análise dos contatos com o público, a entrevista que ora oferecemos aos leitores trará, sem dúvida, enorme contribuição ao equilíbrio e à busca de respostas.

RIE – O Boletim Informativo O Arautense, publicado e distribuído gratuitamente pela Sociedade Civil Arautos do Kardecismo, tem divulgado as atividades da instituição, sua movimentada agenda de palestras e seminários; os livros e CDs editados de sua psicografia e oratória. Quando foi fundada a instituição e que atividades mantém atualmente?

Reynaldo – A instituição Arautos do Kardecismo foi fundada em 9 de março de 1993 por amigos e confrades que, tendo em vista o aumento de meus compromissos divulgativos Espíritas, entenderam de formar uma equipe para auxiliar-me nas tarefas, amealhando recursos através das obras editadas para que o custeio das viagens pudesse ser satisfeito. Arautos completou 10 anos de atividades .

Como agora estamos assumindo a diretoria, pretendemos reformar os estatutos para adequá-los às novas exigências legais, oportunidade em que pretendemos mudar o nome para Associação Arautos do Espiritismo. As atividades mantidas pela Arautos são as culturais, através de worksshops, seminários, simpósios, palestras, entrevistas, cursos etc.,enfocando-se temas de atualidade sob o pálio da Doutrina Espírita, mantendo-se programas radiofônicos e televisivos, além de colaborar em outros segmentos da mídia. Por ocasião dos eventos, as doações são dirigidas para instituições de caridade.

RIE – A agenda de compromissos doutrinários pelo país e exterior tem lhe trazido que experiência e visão das dificuldades humanas?

Reynaldo – O cumprimento da agenda tem me proporcionado constatar o quanto o Ser Humano necessita de respostas rumativas vivenciais, que a Doutrina Espírita tem. E quando enunciamos essas respostas constatamos que, em toda a parte, há uma satisfação pelo despertar ofertado. Há, é verdade, muitos irmãos nossos que têm o Espiritismo como lhe apresentaram os que o desconhecem. Mas nós seguimos juntos e lhes mostramos a Doutrina conforme apresentada pelo Professor Kardec, o que surpreende e modifica as idéias. Por isso, importa-nos a divulgação clara para que se reformem conceitos apresentados por quem nada sabe de Espiritismo. Em síntese: se eu sou causa me imponho efeito. Posso modificar a causa, modificando o efeito.

RIE – Como o Sr percebe a repercussão de seu programa na Rede Boa Nova de Rádio?

Reynaldo – O programa na Rádio Boa Nova tem sido gratificante pela resposta da audiência. São em torno de 1.000 cartas ao mês, telefonemas, telegramas, bilhetes. Ou seja: ponto para a Doutrina Espírita, pelo interesse que desperta conforme a temos apresentado, com linguagem simples sem ser simplória.

RIE – Os eventos anuais realizados pela Arautos no Clube do Juventus, em São Paulo, sempre com expressivo público, permite-lhe fazer que avaliação da disseminação do conhecimento espírita perante o grande público?

Reynaldo – Os megaeventos Espíritas que temos realizado, pela afluência enorme do público (espírita e não espírita), demonstra que Jesus tinha razão quando recomendou o “ide e pregai”. Enquanto muitos preferem guardar par si o tesouro espírita, outros, seguindo a esteira luminífera do Professor Divaldo Franco, do Professor Raul Teixeira, do Dr. Miguel de Jesus Sardano, e tantos outros, nos resolvemos a levar o Espiritismo em sua pureza doutrinária, desconhecida de muitos. O resultado, como se vê, são esses: recintos lotados para ouvir-se sobre ele. E com perguntas e respostas, o “molho” ficou mais apurado.

RIE – O Sr. é espírita desde quando? E a mediunidade quando e como se manifestou?

Reynaldo – Sou Espírita desde os 18 anos, mas a mediunidade em mim se manifestou por volta dos 4 anos de idade, preocupando meus pais, que me conduziram aos exorcismos da vida, às benzedeiras etc. Até que Sóror Maria Angélica, minha Mentora Espiritual, tomou, mais ostensivamente, a responsabilidade de me dirigir, com bases na Doutrina Espírita. O resultado é esse: continuo aluno em fases de franca melhoria.

RIE – Quantos livros e CDs já foram editados com o selo da Arautos?

Reynaldo – São 14 livros e mais de 40 CDs editados por Arautos. Sendo que outros já estão em andamento.

RIE – Descreva-nos a experiência internacional para divulgação do Espiritismo.

Reynaldo – A experiência internacional para divulgação do Espiritismo já está bem facilitada pelo grandioso trabalho do Professor Divaldo Franco. A cada vez que se viaja de retorno a algum país, se percebem frutos, representados por grupos de estudos e, mesmo, Centros Espíritas em franca atividade. Isso é gratificante.

RIE – No CD Cura o Sr. descreve o processo da enfermidade que está enfrentando e transmite expressivas orientações de convivência com a enfermidade. Após esse tempo de experiência com a enfermidade, que orientação pode transmitir para o leitor, especialmente para aquele que vive em si ou em pessoa querida o processo sempre difícil das doenças?

Reynaldo – A enfermidade é fruto de nossa invigilância sobre nós mesmos. Seja pela alimentação inadequada, seja pelas emoções em desalinho, seja pelo excesso de exigência corporal, seja, enfim, pelo desconhecimento de nossos limites, nos tornando factíveis à doença. Com raras exceções se tratará de prova que esteja na pauta de nosso programa reencarnatório. Na maioria dos casos, somos nós que acrescentamos a própria enfermidade, cumprindo o esforço racional para debelá-la, seja através dos recursos médicos-medicamentos, seja, principalmente, pela nossa reforma vibratória, como recomenda o Espiritismo.

RIE – Qual a maior dificuldade transmitida pelo público que o Sr. atende pessoalmente?

Reynaldo – A maior dificuldade transmitida pelo público é o desconhecimento de si mesmo, de seus potenciais, de seus talentos, que vamos redespertando para que ele constate que, frente à eternidade, tudo pode modificar-se para melhor, desde que cada um cuide mais de si mesmo, deixando aos que o cercam o mesmo direito.

RIE – Suas palavras finais.

Reynaldo – Se há uma divisão em antes e depois do Cristo, posso dizer que depois Dele o Consolador por Ele prometido. Ou seja, não podemos nos queixar mais, nem apresentar desculpas: temos Espiritismo. Muitos me perguntam por que Allan Kardec não se comunicou mais, e tenho dito que é porque não precisa, já que a obra organizada por ele está completa. Basta-nos estudá-la, compreendê-la e praticá-la para rumarmos à felicidade que todos almejamos, seja na Terra ou no Mundo Espiritual. Como se vê, não é difícil viver bem, com uma bússola tão bem regulada, qual a Espírita. Efusivíssimos votos de paz para todos.

Contatos:

Sociedade Civil Arautos do Kardecismo

Rua Fernandes Pinheiro, 298 – Tatuapé –

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *