Vida e Sexo

VIDA E SEXO

Emmanuel,  FEB, 1971, 2a  edição.

             Vida e Sexo

1. As proposições ao redor do sexo, apaixonadamente focalizadas na atualidade da Terra, foram objeto de criteriosas anotações do Mundo Espiritual, no século passado, na previsão dos choques de opinião, que a Humanidade de agora enfrenta. (PÁGS. 7 e 8)

2. Em torno do sexo, podemos sintetizar todas as digressões nas normas seguintes:

* Não proibição, mas educação.

* Não abstinência imposta, mas emprego digno, com o devido respeito a si mesmo e aos outros.

* Não indisciplina, mas controle.

* Não impulso livre, mas responsabilidade. (PÁG. 8)

3. Fora disso, é teorizar simplesmente, para depois aprender ou reaprender com a experiência. (PÁG. 8)

4. Sem isso, será enganar-nos, lutar sem proveito, sofrer e recomeçar a obra da sublimação pessoal, tantas vezes quantas se fizerem necessárias, porque a aplicação do sexo, ante a luz do amor e da vida, é assunto pertinente à consciência de cada um. (PÁG. 8)

Em torno do sexo

5. Diz “O Livro dos Espíritos”, item 201, que “são os mesmos os Espíritos que animam os homens e as mulheres”. (PÁG. 9)

6. Atendendo à soma das qualidades adquiridas nas múltiplas encarnações, o Espírito revela-se, no Plano Físico, pelas tendências que registra nos recessos do ser, tipificando-se na condição de homem ou de mulher, conforme as tarefas que lhe cabe realizar.  (PÁG. 9)

7. O sexo se define, assim, por atributo não apenas respeitável, mas profundamente santo da Natureza, exigindo educação e controle. Através dele dimanam forças criativas, a que devemos, na Terra, o instituto da reencarnação, o templo do lar, as bênçãos da família, as alegrias revitalizadoras do afeto e o tesouro inapreciável dos estímulos espirituais. (PÁG. 10)

8. É um despropósito subtrair as manifestações do sexo aos seres humanos, a pretexto de elevação compulsória, porque as sugestões da erótica se entranham na estrutura da alma. De igual modo, seria absurdo deslocá-lo de sua posição venerável, a fim de arremessá-lo às aventuras menos dignas, com a desculpa de garantir-lhe a libertação. (PÁG. 10)

9. Sexo é espírito e vida, a serviço da felicidade e da harmonia do Universo. Por isso, reclama responsabilidade e discernimento, onde e quando se expresse. (PÁG. 10)

10. Todos os compromissos na vida sexual estão subordinados à Lei de Causa e Efeito, e, segundo esse princípio, de tudo o que dermos a outrem, no mundo afetivo, assim nos será dado. (PÁG. 11)

Família

11. Ensina Kardec que há duas espécies de famílias: as famílias pelos laços espirituais e as famílias pelos laços corporais. As primeiras são duráveis e se perpetuam no mundo espiritual. As outras, frágeis como a matéria, se extinguem com  o tempo e, muitas vezes, se dissolvem moralmente, já na corrente existência. (PÁG. 13)

12. Nenhuma associação existente na Terra (excetuando evidentemente a Humanidade) é mais importante em sua função educadora e regenerativa do que a família. (PÁG. 13)

13. Por intermédio da paternidade e da maternidade, o homem e a mulher adquirem mais amplos créditos da Vida Superior. Daí, as fontes de alegria que se lhes rebentam do ser com as tarefas da procriação, visto que os filhos são liames de amor que lhes granjeiam proteção mais extensa  do Mundo Maior. (PÁG. 14)

14. Arraigada nas vidas passadas de todos os que a compõem, a família terrestre é formada de agentes diversos, porquanto nela se reencontram, comumente, afetos e desafetos, amigos e inimigos, para os ajustes e reajustes indispensáveis, ante as leis do destino. (PÁG. 14)

15. Temos, pois, no instituto doméstico uma organização de origem divina, em cujo seio encontramos os instrumentos necessários ao nosso próprio aprimoramento para a edificação do Mundo Melhor. (PÁG. 15)

Namoro

16. Esclarece “O Livro dos Espíritos”, item 291, que os Espíritos votam-se afeições particulares recíprocas, tal como se dá entre os homens, sendo, porém, mais forte o laço que prende os Espíritos uns aos outros, uma vez desembaraçados do corpo material, porque então esse laço não se acha exposto às vicissitudes das paixões. (PÁG. 17)

17. A integração de duas criaturas para a comunhão sexual começa habitualmente pelo período de namoro que se traduz por suave encantamento. Dois seres descobrem, um no outro, motivos e apelos para a entrega recíproca e daí se desenvolve o processo de atração. (PÁG. 17)

18. Compartilham na Terra, diariamente, as emoções de semelhantes encontros:

* Inteligências que traçaram entre si a realização de empresas afetivas ainda no Mundo Espiritual.

* Criaturas que já partilharam experiências no campo sexual em estâncias passadas.

* Corações que se acumpliciaram em delinqüência passional, noutras eras.

* Almas inesperadamente harmonizadas na complementação magnética. (PÁG. 18)

19. Positivada a simpatia mútua, é chegado o momento do raciocínio. Acontece, porém, que é ainda diminuta, no Planeta, a percentagem de pessoas habilitadas a pensar em termos de auto-análise, quando o instinto sexual se lhes derrama do ser. (PÁG. 18)

20. Imperioso anotar, em muitos lances da caminhada evolutiva do Espírito, a influência exercida pelas inteligências desencarnadas no jogo afetivo. Referimo-nos aos parceiros das existências passadas, ou, mais claramente, aos Espíritos que se corporificarão no futuro lar e cuja atuação, em muitos casos, pesa no ânimo dos namorados, inclinando afeições pacificamente raciocinadas para casamentos súbitos ou compromissos na paternidade e na maternidade. (PÁGS. 18 e 19)

21. Esses namorados matriculam-se, então, na escola de laboriosas responsabilidades, porque a doação de si mesmos à comunhão sexual, em regime de prazer sem ponderação, não os exonera dos vínculos cármicos para com  os seres que trazem à luz do mundo, em cuja floração, se é verdade que recolherão trabalho e sacrifício, obterão também valiosa colheita de experiência e ensinamento para o futuro, se compreenderem que a vida paga em amor  a todos aqueles que lhe recebem com amor as justas exigências para a execução dos seus objetivos essenciais.  (PÁG. 19)

Ambiente doméstico

22. Refere “O Evangelho segundo o Espiritismo”, cap. V, item 11, que freqüentemente o Espírito renasce no mesmo meio em que já viveu, estabelecendo de novo relações com as mesmas pessoas, a fim de reparar o mal que lhes haja feito. “Se reconhecesse nelas as a quem  odiara – registra a referida obra –, quiçá o ódio se lhe despertaria outra vez no íntimo.” (PÁG. 21)   –

23. No lar encontramos a escola viva da alma. O Espírito, quando retorna ao Plano Físico, vê nos pais as primeiras imagens de Deus e da Vida. Na tépida estrutura do ninho doméstico, germinam-lhe no ser os primeiros pensamentos e as primeiras esperanças. (PÁG. 22)

24. Não lhe será, porém, tão fácil seguir adiante com os ideais da meninice, de vez que, habitualmente, a equipe familiar se aglutina segundo os desastres sentimentais das existências passadas, debitando-se aos seus componentes os distúrbios da afeição possessiva, a se traduzirem por ternura descontrolada e ódio manifesto, ou simpatia e aversão simultâneas. (PÁG. 22)

25. Pais imaturos, do ponto de vista espiritual, comumente se infantilizam, no tempo exato do trabalho mais grave que lhes compete, no setor educativo, e, ao invés de guiarem os pequeninos com segurança para o êxito em seu novo desenvolvimento no estágio da reencarnação, embaraçam-lhes os problemas, ora tratando as crianças como se fossem adultos, ora tratando os filhos adultos como se fossem crianças. (PÁG. 22)

26. Estabelecido o desequilíbrio no lar, irrompem os conflitos de ciúme e rebeldia, narcisismo e crueldade, que asfixiam as plantas da compreensão e da alegria na gleba caseira, transformando-a em espinheiral magnético de vibrações contraditórias, no qual os enigmas emocionais, trazidos do passado, adquirem feição quase insolúvel. (PÁGS. 22 e 23)

27. Decorre daí a importância dos conhecimentos alusivos à reencarnação, nas bases da família, para que o lar não se converta, de bendita escola que é, em pouso neurótico, albergando moléstias mentais dificilmente reversíveis. (PÁG. 23)

Energia sexual

28. A energia sexual, como recurso da lei de atração, é inerente à própria vida, gerando cargas magnéticas em todos os seres, à face das potencialidades criativas de que se reveste. (PÁG. 25)

29. Nos seres primitivos, e em todas as criaturas que se demoram voluntariamente no nível dos brutos, a descarga de semelhante energia opera-se inconsideradamente, fato que lhes custa resultados angustiosos a lhes lastrearem longo tempo de fixação em existências menos felizes, para que todos aprendamos que ninguém abusa de alguém sem carrear prejuízo a si mesmo. (PÁGS. 25 e 26)

30. À medida que o indivíduo evolui, passa a compreender que a energia sexual envolve o impositivo do discernimento e da responsabilidade em sua aplicação, e que, por isso mesmo, deve estar controlada por valores morais que garantam o seu emprego digno, seja na procriação, asseguradora da família, ou na criação de obras beneméritas da sensibilidade e da cultura, com vistas à evolução e ao burilamento da vida no Planeta. (PÁG. 26)

31. Através da poligamia, o Espírito assinala a si próprio longa marcha em existências sucessivas de reparação e aprendizagem, em cujo transcurso adquire a necessária disciplina do seu mundo emotivo. Fatigado de experimentos dolorosos, em que recolhe o fruto amargo da delinqüência ou do desespero que haja estabelecido nos outros, reconhece, enfim, na monogamia o caminho certo de suas manifestações afetivas, identificando na criatura que se lhe afina com os propósitos e aspirações o parceiro ou a parceira ideais para a comunhão sexual, suscetível de lhe granjear o preciso equilíbrio. (PÁG. 26)

32. Em nenhum caso nos será lícito subestimar a importância da energia sexual que, na essência, verte da Criação Divina para a constituição e sustentação de todas as criaturas. Criatura alguma, no plano da razão, se utilizará dela, nas relações com outra criatura, sem conseqüências felizes ou infelizes, construtivas ou destrutivas, conforme a orientação que se lhe dê. (PÁG. 27)

Compromisso afetivo

33. Tal como a guerra, que semeia terror e morticínio entre as nações, a afeição erradamente orientada, através do compromisso escarnecido, cobre o mundo de vítimas. (PÁG. 29)

34. Os conflitos do sexo e os problemas do equilíbrio emotivo, que faceamos hoje na Terra, são na verdade os de todos os tempos, na vida do planeta.  As Leis do Universo esperar-nos-ão pelos milênios afora, mas terminarão por se inscreverem, a caracteres de luz, em nossas próprias consciências. (PÁG. 30)

35. Essas Leis determinam amemos aos outros qual nos amamos. Para que não sejamos mutilados psíquicos, urge não mutilar o próximo. (PÁG. 30)

36. Toda vez que determinada pessoa convide outra à comunhão sexual ou aceita de alguém um apelo nesse sentido, estabelece-se entre ambas um circuito de forças, pelo qual a dupla se alimenta psiquicamente de energias espirituais, em regime de reciprocidade. (PÁG. 30)

37. Quando um dos parceiros foge ao compromisso assumido, sem razão justa, lesa o outro na sustentação do equilíbrio emotivo, seja qual for o campo de circunstâncias em que esse compromisso venha a ser efetuado. Criada a ruptura no sistema de permuta das cargas magnéticas de manutenção, de alma para alma, o parceiro prejudicado, se não dispõe de conhecimentos superiores, entra em pânico, sem que se lhe possa prever  o descontrole que, muitas vezes, raia na delinqüência. (PÁGS. 30 e 31)

38. Tais resultados da imprudência e da invigilância repercutem no agressor, que partilhará das conseqüências desencadeadas por ele próprio, debitando-se-lhe ao caminho a sementeira partilhada de conflitos e frustrações que carreará para o futuro. (PÁG. 31)

Casamento

39. Ensina “O Livro dos Espíritos”, item 695, que a união permanente de dois seres não contraria a lei natural, mas, ao contrário, constitui um progresso na marcha da Humanidade. (PÁG. 33)

40. O casamento ou a união permanente de dois seres implica, obviamente, o regime de vivência pelo qual duas criaturas se confiam uma à outra, no campo da assistência mútua. Essa união reflete as Leis Divinas que permitem seja dado um esposo para uma esposa, um companheiro para uma companheira, um coração para outro coração, na criação de valores para a vida. (PÁG. 33)

41. É imperioso, porém, que a ligação se baseie na responsabilidade recíproca, visto que na comunhão sexual um ser humano se entrega a outro ser humano e, por isso, não deve haver qualquer desconsideração entre si. (PÁGS. 33 e 34)

42. Quando as obrigações mútuas não são respeitadas no ajuste, a comunhão sexual injuriada ou interrompida costuma gerar dolorosas repercussões na consciência, estabelecendo problemas cármicos de solução por vezes muito difícil, porquanto ninguém fere alguém sem ferir a si mesmo. (PÁG. 34)

43. Nos Planos Superiores, o liame entre dois seres é espontâneo, composto em vínculos de afinidade inelutável. Na Terra do futuro, as ligações afetivas obedecerão a idêntico princípio e, por antecipação, milhares de criaturas já desfrutam no próprio estágio da encarnação dessas uniões ideais, em que se jungem psiquicamente uma à outra, sem necessidade de permuta sexual, mais profundamente considerada, a fim de se apoiarem mutuamente na formação de obras preciosas, na esfera do espírito. (PÁG. 34)

44. Ocorre, porém, que milhões de almas jazem no Planeta, arraigadas a débitos escabrosos perante a lei de causa e efeito e, ainda inclinadas ao desequilíbrio e ao abuso, exigem severos estatutos humanos para a regulação das trocas sexuais que lhes dizem respeito, de modo a que não se tornem salteadores impunes na construção  do mundo moral. São esses débitos contraídos por legiões de companheiros da Humanidade que determinam a existência de milhões de uniões supostamente infelizes, nas quais a reparação de faltas passadas confere a numerosos ajustes sexuais o aspecto de ligações francamente expiatórias, com base no sofrimento purificador. (PÁGS. 34 e 35)

45. É forçoso, assim, reconhecer que não existem no mundo conjugações afetivas, sejam elas quais forem, sem raízes nos princípios cármicos, nos quais as nossas responsabilidades são esposadas em comum. (PÁG. 35)

Divórcio

46. Partindo do princípio de que não existem uniões conjugais ao acaso, o divórcio, a rigor, não deve ser facilitado entre as criaturas, porquanto é aí, nos laços matrimoniais, que se operam burilamentos e reconciliações endereçados à precisa sublimação da alma. (PÁG. 37)

47. A Sabedoria Divina, contudo, jamais institui princípios de violência, e o Espírito, embora em muitas situações agrave os próprios débitos, dispõe da faculdade de interromper, recusar, modificar, discutir  ou adiar, transitoriamente, o desempenho dos compromissos que abraça. (PÁG. 38)

48. Em muitos lances da experiência, é a própria individualidade, na vida do Espírito, antes da reencarnação, que assinala a si mesma o casamento difícil que faceará na estância física, chamando a si o parceiro ou a parceira de existências pretéritas para os ajustes que lhe pacificarão a consciência, à vista de erros perpetrados em outras épocas. (PÁG. 38)

49. Reconduzida à vida terrestre e assumida a união esponsalícia que atraiu a si mesma, a criatura humana vê-se, muitas vezes, desencorajada à face dos empeços que lhe surgem à frente. Por vezes, o companheiro ou a companheira voltam à prática da crueldade de outro tempo, seja através do menosprezo, do desrespeito, da violência ou da deslealdade, e o cônjuge prejudicado nem sempre encontra recursos em si para se sobrepor aos processos de dilapidação moral de que é vítima. (PÁG. 38)

50. Compelidos, muita vez, às últimas fronteiras da resistência, é natural que o esposo ou a esposa, relegado a sofrimento indébito, se valha do divórcio por medida extrema contra o suicídio, o homicídio ou calamidades diversas que lhe complicariam ainda mais o destino. Em tais momentos da vida, a separação surge à maneira de bênção necessária e o cônjuge prejudicado encontra no tribunal da própria consciência o apoio moral da auto-aprovação para renovar o caminho que lhe diga respeito, acolhendo ou não nova companhia para a jornada humana. (PÁGS. 38 e 39)

51. Obviamente, não nos é lícito estimular o divórcio em tempo algum, competindo-nos apenas, nesse sentido, reconfortar e reanimar os irmãos em lide, nos casamentos provacionais, a fim de que se sobreponham às próprias suscetibilidades e aflições, vencendo as duras etapas de regeneração ou expiação que rogaram antes do renascimento, em auxílio de si mesmos. (PÁG. 39)

52. É justo, contudo, reconhecer que a escravidão não vem de Deus e que ninguém possui o direito de torturar ninguém, à face das leis eternas. O divórcio, pois, baseado em razões justas, é providência humana e claramente compreensível nos processos de evolução pacífica.  (PÁG. 39)

União infeliz

53. Informam os Espíritos superiores (L.E., item 167) que o fim objetivado por Deus com a reencarnação é: expiação, melhoramento progressivo da Humanidade. “Sem isto, onde a justiça?” (PÁG. 41)

54. Sem dúvida, é dolorosa a união considerada menos feliz  e, claro, não existe obrigatoriedade para que alguém suporte, a contragosto, a truculência ou o peso de alguém, visto que todo Espírito é livre no pensamento para definir-se quanto às próprias resoluções. (PÁG. 41)

55. Os débitos que abraçamos são anotados na Contabilidade da Vida; todavia, antes que a vida os registe por fora, grava em nós mesmos, em toda a extensão, o montante e os característicos de nossas faltas. (PÁGS. 41 e 42)

56. A pedra que atiramos no próximo talvez não volte sobre nós em forma de pedra, mas permanece conosco na figura de sofrimento e, enquanto não se remove a causa da angústia, os efeitos dela perduram sempre, tanto quanto não se extingue a moléstia, em definitivo, se não a eliminamos na origem do mal.  (PÁG. 42)

57. Nas ligações terrenas encontramos as grandes alegrias; no entanto, é também dentro delas que somos habitualmente defrontados pelas mais duras provações. (PÁG. 42)

58. A existência física é processo específico de evolução, mas, da mesma maneira que o aluno nenhuma vantagem obterá da escola se não passa dos ornamentos exteriores do educandário em que estuda, o Espírito encarnado nenhum proveito recolherá do casamento, caso pretenda imobilizar-se no êxtase do noivado. (PÁG. 42)

59. Os princípios cármicos desenovelam-se com as horas. Provas, tentações, crises salvadoras ou situações expiatórias surgem na ocasião exata, na ordem em que se nos recapitulam oportunidades e experiências, qual ocorre à semente que, devidamente plantada, oferece o fruto em tempo certo. (PÁGS. 42 e 43)

60. O matrimônio pode ser precedido de doçura e esperança, mas isso não impede que os dias subseqüentes, em sua marcha incessante, tragam aos cônjuges os resultados das próprias criações que deixaram para trás. A jovem suave que hoje nos fascina em muitos casos será talvez amanhã a mulher transformada, capaz de impor-nos dificuldades enormes para a consecução da felicidade. Essa mesma jovem foi, no entanto, em existências já transcorridas, a vítima de nós mesmos, quando lhe infligimos os golpes de nossa própria deslealdade, convertendo-a na mulher temperamental ou infiel, que nos cabe agora relevar e retificar. (PÁG. 43)

61. O rapaz distinto que atrai no presente a companheira será, muitas vezes, provavelmente, o homem cruel e desorientado, suscetível de constrangê-la a carregar todo um calvário de aflições. Esse rapaz foi, porém, no passado, em existências que já se foram, a vítima dela própria, quando, desregrada ou caprichosa, lhe desfigurou o caráter, transformando-o no homem vicioso ou fingido, que lhe compete tolerar e reeducar. (PÁGS. 43 e 44)

62. Toda vez que amamos alguém e nos entregamos a esse alguém, no ajuste sexual, ansiando por não nos desligarmos desse alguém, para depois – somente depois – surpreender nele defeitos e nódoas que antes não víamos, estamos à frente de criatura anteriormente dilapidada por nós, a ferir-nos justamente nos pontos em que a prejudicamos, no passado, não só a cobrar-nos o pagamento de contas certas, mas, sobretudo, a esmolar-nos compreensão e assistência, tolerância e misericórdia, para que se refaça ante as leis do destino. (PÁG. 44)

63. A união supostamente infeliz deixa de ser, portanto, um cárcere de lágrimas para ser um educandário bendito, onde o Espírito equilibrado e afetuoso, longe de abraçar a deserção, aceita o companheiro ou a companheira que mereceu ou de que necessita, a fim de quitar-se com os princípios de causa e efeito, liberando-se das sombras de ontem para elevar-se, em silenciosa vitória sobre si mesmo, para os domínios da luz. (PÁG. 44)

Filhos

64. Informa Kardec  (“O Evangelho segundo o Espiritismo”,  cap. XIV, item 8)  que os laços do sangue não criam forçosamente os liames entre os Espíritos. O corpo procede do corpo, mas o Espírito não procede do Espírito, porque este já existe antes da formação do corpo. O pai não cria o Espírito de seu filho; apenas lhe fornece o invólucro corpóreo, cumprindo-lhe, no entanto, auxiliar o desenvolvimento intelectual e moral do filho, para fazê-lo progredir. (PÁG. 45)

65. Surge comumente, entre os casais, o problema do abandono, pelo qual o parceiro lesado é compelido à carência afetiva. Integradas duas criaturas na comunhão recíproca, é natural que o afastamento uma da outra provoque, em numerosas circunstâncias, o colapso das forças mais íntimas naquela que se viu relegada a esquecimento. (PÁG. 45)

66. O cônjuge menosprezado no círculo doméstico detém, no entanto, a faculdade de refazer as condições que julgue necessárias à própria euforia, com base na consciência tranqüila. Não há obrigações de cativeiro para ninguém nos fundamentos morais da Criação. Um ser não dispõe de regalias para abusar impunemente de outro, sem que a vítima se veja espontaneamente liberta de qualquer compromisso para com o agressor. (PÁG. 46)

67. As Leis da Vida, todavia, rogam – sem impor – às vítimas da deslealdade ou da prepotência que não renunciem ao dever de amparar os filhos, notadamente se esses filhos ainda não atingiram a puberdade. (PÁG. 46)

68. Em semelhantes crises, é preciso que haja no cônjuge largado em desprezo uma revisão criteriosa do próprio comportamento, para verificar até que ponto terá ele provocado a agressão moral sofrida e, seja ou não culpado, que se renda, antes de tudo, à desculpa incondicional do ofensor, fundindo no coração os títulos ternos que tenha concedido ao outro no título de irmão ou de irmã, de vez que somos todos Espíritos imortais e filhos do mesmo Pai. (PÁG. 47)

69. Só pelo esquecimento das faltas uns dos outros é que nos endereçaremos à definitiva sublimação. (PÁG. 47)

70. Nenhum de nós, os filhos da Terra, está em condições de acusar a ninguém, nos domínios do sentimento, porquanto os virtuosos de hoje podem ter sido os caídos de ontem e os caídos de hoje serão possivelmente os virtuosos de amanhã, a quem tenhamos, talvez, de rogar apoio e bênção. (PÁG. 47)

71. Homem ou mulher em abandono, se tem filhos pequeninos, que se voltem, acima de tudo, para eles, agasalhando-os sob as asas do entendimento e da ternura, até que se habilitem aos primeiros contactos conscientes com a vida terrestre, antes de se aventurarem à adoção de nova companhia. (PÁG. 47)

Alterações afetivas

72. Ensina “O Livro dos Espíritos”, item 208, que os pais exercem grande influência sobre o filho. “Conforme dissemos – afirmam os Imortais –, os Espíritos têm que contribuir para  o progresso uns dos outros. Pois bem, os Espíritos dos pais têm por missão desenvolver os de seus filhos pela educação. Constitui-lhes isso uma tarefa.” (PÁG. 49)

73. Depois que o navio do casamento se afasta do cais do sonho para o mar largo da experiência, é muito comum se alterem as condições afetivas. A esperança converte-se em trabalho e desnudam-se problemas que a ilusão envolvia. Observa-se, então, na maioria das posições, que arrefece o calor em que o casal se aquecia nos primeiros dias da comunhão esponsalícia. (PÁGS. 49 e 50)

74. Urge, porém, salvar a embarcação ameaçada de soçobrar. E ambos os cônjuges precisam reaprender na escola do amor, reconhecendo que, acima da conjunção corpórea, fácil de se concretizar, é imperioso que a dupla se case, em espírito – sempre mais em espírito -, dia por dia. (PÁG. 50)

75. Não se inquietem os parceiros, à frente das modificações ocorridas, de vez que toda afinidade correta, nas emoções do Plano Físico, evolui fatalmente para a ligação ideal, a exprimir-se na ternura confiante da amizade sem lindes. (PÁG. 50)

76. O carinho que era, em princípio, repartido a dois, passa a ser dividido por maior número de partícipes do núcleo familiar, os quais são, em muitas circunstâncias, os associados da doce hipnose do namoro e do noivado, que mantinham nos pais jovens, ainda solteiros, a chama da atração entusiástica até a consumação do enlace afetivo. (PÁGS. 50 e 51)

77. Quase sempre, Espíritos vinculados ao casal, ora mais ao pai, ora mais à mãe, interessam-se na Vida Maior pela constituição da família, à face das próprias necessidades de aprimoramento e resgate, progresso e autocorrigenda. Em vista disso, cooperam, em ação decisiva, na aproximação dos futuros pais, aportando em casa pelos processos da gravidez, reclamando naturalmente a quota de carinho e atenção que lhes é devida. (PÁG. 51)

78. Em toda comunhão mais profunda do homem e da mulher na formação do grupo doméstico, seguida de filhos, há que contar com a sublimação espontânea do impulso sexual, cabendo a ambos aderir  naturalmente a essa contingência da vida, cientes de que apenas o amor que se divide, em bênçãos para com os outros, é capaz de multiplicar a verdadeira felicidade. (PÁG. 51)

Desajustes

79. É comum observar que o casamento promissor repentinamente adoece. Aparecem  os empecilhos. Surgem conflitos, doenças, desníveis, falhas de formação e temperamento. Ora é a mulher que se casou pensando encontrar no esposo o retrato psicológico do pai, a quem se vinculara desde o berço. Ora é o homem a exigir da companheira a continuidade da genitora, a quem se jungiu desde a vida fetal. A lição do Evangelho contudo nos ensina: “Sede indulgentes, meus amigos, porquanto a indulgência atrai, acalma, ergue, ao passo que o rigor desanima, afasta e irrita”.  (PÁG. 53)

80. Precisamos compreender que o matrimônio é uma quebra de amarras através da qual o navio da existência larga o cais dos laços afetivos em que jazia ancorado. Na viagem que se inicia a dois, os nubentes se revelarão, um à frente do outro, tais quais são e como se encontram na realidade, evidenciando os defeitos e as virtudes que porventura carreguem. (PÁGS. 53 e 54)

81. Razoável se convoque, em tais circunstâncias, o auxílio de técnicos capazes de sanar as lesões no barco em perigo, como sejam médicos e psicólogos, amigos e conselheiros, cuja contribuição se revestirá sempre de inapreciável valor; entretanto, ao desenrolar de obstáculos e provas, o conhecimento da reencarnação exerce encargo de importância por trazer aos interessados novo campo de observações e reflexões, impelindo-os à tolerância, sem a qual a rearmonização acena sempre mais longe. (PÁG. 54)

82. Urge perceber que a comunhão afetiva não opera a fusão dos parceiros, pois cada qual continua sendo um mundo por si, e nem sempre os característicos de um se afinam com o outro. Daí a conveniência do mútuo aceite, com a obrigação da melhoria do casal. Para isso, não bastarão providências de superfície. Há que internar o raciocínio em considerações mais profundas para que as raízes do desequilíbrio sejam erradicadas da mente. (PÁGS. 54 e 55)

83. Aceitação, eis o problema. É preciso admitir o companheiro ou companheira como são e, feito isso, inicie-se a obra da edificação ou da reedificação recíprocas. (PÁG. 55)

84. Obtém-se da vida o que se lhe dá, colhe-se o material de plantio. Habitualmente, o homem recebe a mulher como a deixou e no ponto em que a deixou no passado próximo, isto é, nas estâncias do tempo que se foi para o continuísmo da obra de resgate ou de elevação no tempo de agora, sucedendo o mesmo referentemente à mulher. (PÁG. 55)

85. O parceiro desorientado, enfermo ou infiel, é aquele homem que a parceira, em existências anteriores, conduziu à perturbação, à doença ou à deslealdade, através de atitudes que o segregaram  em deploráveis estados compulsivos; e a parceira, nessas condições, consubstancia necessidades e provas da mesma espécie. (PÁG. 55)

86. Seja qual seja o motivo em que o tédio se fundamente, recorram ambos ao apoio recíproco mais profundo e mais intensivo. Com isso, estarão em justa defesa da harmonia íntima, sem castigarem o próprio corpo. E reeducar-se-ão, sem hostilizar os que porventura lhes demonstrem afeto, mas acolhendo-os, não mais como cúmplices de aventuras deprimentes, e sim por irmãos queridos, com quem podem fundir-se, em espírito, no mais alto amor espiritual. (PÁG. 56)

Tédio no lar

87. Esclarece “O Livro dos Espíritos”, item 939, que muitas pessoas acreditam amar perdidamente a outrem, porque apenas julgam pelas aparências e, obrigadas a viver com as pessoas amadas, não demoram a reconhecer que só experimentaram um encantamento material. Não basta uma pessoa estar enamorada de outra que lhe agrada. Vivendo com ela é que poderá apreciá-la. Em muitas uniões, que a princípio pareciam destinadas ao fracasso, acabam os parceiros – depois de se haverem estudado bem e de bem se conhecerem – por votar-se, reciprocamente, duradouro e terno amor, porque assente na estima. (PÁG. 57)

88. Cumpre não se esqueça de que é o Espírito quem ama, e não o corpo, de modo que, dissipada a ilusão material, o Espírito vê a realidade. Há duas espécies de afeição: a do corpo e a da alma. Quando pura, a afeição da alma é duradoura; efêmera é a do corpo. É por isso que muitas vezes os que julgavam amar-se com eterno amor passam a odiar-se, desde que a ilusão se desfaça. (PÁGS. 57 e 58)

89. Quando o tédio reponte no lar, na forma, muitas vezes, de indiferença por parte do parceiro, ou de relaxamento por parte da companheira, é preciso se faça judiciosa auto-análise, de lado a lado, para que o parasito seja erradicado completamente. (PÁG. 58)

90. Sempre que o homem e a mulher se confiam um ao outro, pelos vínculos sexuais, essa rendição é tão absoluta que passam, praticamente, a viver numa simbiose de forças, qual se as duas almas habitassem num único corpo. Se um dos companheiros esmorece na indiferença, a morte da união sobrevém, inevitável, com os resultados infelizes que daí decorrem. (PÁGS. 58 e 59)

91. A sexualidade no casal existe, sobretudo, em função de alimento magnético entre os dois corações que se integram um no outro e daí procede a necessidade de vigilância para que a harmonia não se perca, nesse circuito de forças. (PÁG. 59)

92. Noutros lances da experiência, observarão os parceiros que a influência de alguém lhes atinge o âmago do ser, incitando-os a ligações sexuais diferentes. É o passado que volta, apresentando de novo as mesmas criaturas com quem tenhamos talvez enveredado no labirinto de experiências francamente infelizes. (PÁG. 59)

93. Somente na base da indulgência e do perdão recíprocos, mais facilmente estruturáveis no conhecimento da reencarnação, conseguirão os cônjuges o triunfo esperado, nas lides e compromissos abraçados, descerrando a si mesmos a porta da paz e a luz da libertação. (PÁG. 60)

Vinculações

94. Ensina  a Doutrina Espírita (“O Evangelho segundo o Espiritismo”, cap. XIV, item 8): “Os que se encarnam numa família, sobretudo como parentes próximos, são, as mais das vezes, Espíritos simpáticos, ligados por anteriores relações, que se expressam por uma afeição recíproca na vida terrena”. (PÁG. 61)

95. Cada criança é um campo de tendências inatas, com tamanha riqueza de material para a observação do analista, que debalde se penetrará os meandros da sua individualidade sem apoio na reencarnação. Surpreenderemos na criança todo o equipamento dos impulsos sexuais prontos à manifestação, quando a puberdade lhe assegure mais amplo controle do carro físico. (PÁGS. 61 e 62)

96. Com esses impulsos, despontam-lhe do espírito as inclinações para maior ou menor ligação com esse ou aquele companheiro do núcleo familiar. O jogo afetivo se desenrola, porém, via de regra, mais intensivamente entre ela e os pais, reconhecendo-se então se os laços do passado estão mais fortemente entretecidos com o genitor ou a genitora. (PÁG. 62)

97. Com freqüência, mas não sempre, as filhas propendem mais acentuadamente para a ligação com o pai, enquanto os filhos manifestam maior afeto para com a mãe. Nenhuma estranheza há nisso, quando sabemos que toda a estrutura psicológica, em que se erguem nossos destinos, foi manipulada com  os ingredientes do sexo, através de milhares de reencarnações. (PÁGS. 62 e 63)

98. Aceitando os princípios de causa e efeito que nos lastreiam a experiência, desconheceremos que os instintos sexuais nos orientaram a romagem por milênios e milênios, no reino animal, edificando a razão que hoje nos coroa a inteligência? (PÁG. 63)

99. Assim pensando, recordemos o cipoal das relações poligâmicas de que somos egressos, e entenderemos com absoluta naturalidade os complexos da personalidade infantil. Isso sucede, porque herdamos espiritualmente de nós mesmos, reencontrando, matematicamente, na posição de filhos e filhas, aqueles mesmos companheiros de experiência sentimental, com os quais tenhamos contas por acertar. Atentos a essa realidade, podemos concluir que os vínculos da criança solicitam providências e providências, que sintetizaremos tão-somente numa única palavra: educação. (PÁG. 63)

Desvinculações

100. Informa “O Livro dos Espíritos”, item 205, que a reencarnação distende os laços de família, não os destrói. Essa doutrina amplia os deveres da fraternidade, porquanto mostra que no vizinho ou no servo pode achar-se um Espírito a quem tenhamos estado presos pelos laços da consangüinidade. (PÁG. 65)

101. A desvinculação entre os que se amam assume habitualmente o aspecto de dolorosa cirurgia psíquica. (PÁG. 65)

102. Essa desvinculação, via de regra, se verifica numa constante digna de nota: a posição de pais e filhos, incluindo-se nela os pais e filhos adotivos, de vez que, no enternecimento do lar, todos os jogos da ternura são postos na mesa do cotidiano, revestidos de encantamento construtivo. (PÁG. 66)

103. No fundo, porém, da personalidade paterna ou materna, descansam os remanescentes de grandes afeições, às vezes desequilibradas e menos felizes, trazidas de outras estâncias, nos domínios da reencarnação. A libido ou o instinto sexual na forma de energia psíquica permanece, em muitos casos, na carícia dos pais, vestida em manto de carinho e beleza, mas o amor é ainda, no ádito do Espírito, qual fogo de vida que se nutre do próprio lenho. (PÁG. 66)

104. Os pequeninos, recém-vindos da amnésia natural que a reencarnação lhes impõe, não conseguem esconder as próprias disposições no campo das preferências, surgindo neles, de inopino, quase sempre, as inclinações descontroladas, nos caprichos com que se mostram. Geralmente, com muitas exceções, aliás, as filhas se voltam para os pais e os filhos para as mães, patenteando a natureza das ligações havidas no passado e prenunciando a obra de desvinculação que se executará no futuro próximo. (PÁGS. 66 e 67)

105. Claro que nem todos os filhos aparecem no lar à conta da desvinculação afetiva, porquanto milhões de Espíritos tomam a estrutura física, no desempenho de encargos simples ou complexos, valendo-se da colaboração dos pais, à maneira de amigos que se entreajudam, nas faixas da confiança e da afinidade recíprocas. (PÁG. 67)

106. As relações entre pais e filhos constituem, no entanto, clima ideal para a libertação de quantos se jungiram entre si, de modo inconveniente, nos desregramentos emotivos em nome do amor. É por isso que a sabedoria da Natureza faculta o reencontro, sob as teias da parentela, de quantos se desvairaram nos desmandos de ordem sexual, até que os companheiros do pretérito, reencarnados na posição de filhos, atinjam a juventude, na existência nova, elegendo novos parceiros para a sua vida afetiva. (PÁG. 67)

107. Pais que sofrem na entrega das jovens que o lar lhes confiou, aos companheiros que as requisitam para o matrimônio, estão quase sempre renunciando à companhia de antigas afeições que eles mesmos conduziram mal no passado. E o mesmo se dá com as mães, ao se separarem de filhos que lhes lembram, embora inconscientemente, as ligações do passado. (PÁG. 68)

Aversões

108. Em “O Evangelho segundo o Espiritismo”, cap. XIV, item 8, aprendemos que os que  encarnam numa mesma família são, as mais das vezes, Espíritos simpáticos, ligados por anteriores relações, que se expressam por uma afeição recíproca na vida terrena. Pode, contudo, acontecer sejam esses Espíritos completamente estranhos uns aos outros e afastados entre si por antipatias anteriores, que se traduzem na Terra por um mútuo antagonismo que aí lhes serve de provação. (PÁG. 69)

109. Existem pais e filhos, irmãos e parentes outros que, não raro, se repelem, desde os primeiros contactos. (PÁG. 70)

110. É que, arraigado no labirinto de existências menos felizes, o problema das reações negativas, culpas, remorsos, vinganças e tantos outros está presente no quadro familiar, em que o ódio acumulado no passado se exterioriza por meio de manifestações catalogáveis na patologia da mente, como os crimes de infanticídio que vez por outra registra a imprensa. (PÁG. 70)

111. Indubitavelmente, o tratamento psicológico, visando à cura mental e à sublimação da personalidade, é o caminho ideal para semelhantes pacientes. Médicos e analistas conseguirão também efetuar prodígios de compreensão e de amor, liberando enfermos dessa espécie;  no entanto, o estudo da reencarnação é igualmente chamado a funcionar, na  obra de salvamento. (PÁGS. 70 e 71)

112. As vítimas desses crimes não são, como alguém poderia pensar, arrebatadas para o céu ou o inferno teológicos. Se forem pessoas compenetradas quanto às leis de amor e perdão, promovem-se a trabalho digno na Espiritualidade, às vezes até mesmo em auxílio a seus algozes. Na maioria dos casos, porém, persistem no caminho daqueles que lhes dilapidaram a vida profunda, transformando-se em perseguidores magoados ou vingativos que, mais tarde, acabam reconduzidos, pelos princípios cármicos, ao renascimento junto deles, a fim de sanarem, pela convivência, os complexos de crueldade que ainda nutram no ser. (PÁG. 71)

113. Quando isso acontece, o apostolado de reajuste há-de iniciar-se nos pais, porquanto, despertos para a lógica e para o entendimento, são convocados pela sabedoria da vida ao apaziguamento e à renovação. É por isso que se torna indispensável amar e desculpar, compreender e servir, sempre, de modo a que sofrimento e dissensão desapareçam, para que, na base da compreensão e da bondade, as crianças de hoje se levantem na condição de Espíritos reajustados perante as Leis do Universo. (PÁG. 72)

Aborto

114. Os imortais ensinam, no item 358 d’ O Livro dos Espíritos, que a provocação do aborto injustificável, em qualquer período da gestação, constitui um crime ante as leis de Deus. (PÁG. 73)

115. De todos os institutos sociais existentes na Terra, a família é o mais importante, do ponto de vista dos alicerces morais que regem a vida. É pela conjunção sexual entre o homem e a mulher que a Humanidade se perpetua no planeta. (PÁG. 74)

116. Não é difícil entender que nós, os Espíritos eternos, atendendo aos impositivos do progresso, nos revezamos na arena do mundo, ora envergando a posição de pais, ora desempenhando o papel de filhos, aprendendo, gradativamente, na carteira do corpo físico, as lições profundas do amor, que nos soerguerá um dia, em definitivo, da Terra para os Céus. (PÁGS. 74 e 75)

117. Tendo em mente tais informações, fica evidenciada a calamidade que representa o aborto criminoso, praticado exclusivamente pela fuga ao dever, porquanto somos nós mesmos quem, habitualmente, planifica a formação da família antes do renascimento terrestre, com o amparo e a supervisão de instrutores beneméritos, à maneira da casa que levantamos no mundo, com o apoio de arquitetos e técnicos distintos. (PÁG. 75)

118. Comumente chamamos a nós antigos companheiros de aventuras infelizes, programando-lhes a volta em nosso convívio, a prometer-lhes socorro e oportunidade, em que se lhes reedifique a esperança de elevação e resgate, burilamento e melhoria. Criamos projetos, aventamos sugestões, articulamos providências e externamos votos respeitáveis… Contudo, se, uma vez instalados na Terra, anestesiamos a consciência e os expulsamos de nossa companhia, a pretexto de resguardar o próprio conforto, não podemos prever suas reações negativas, porque podem eles tornar-se – como ocorre com freqüência – inimigos recalcados que nos impõem sofrimento e aflição, mais do que se estivessem conosco, na condição de filhos-problemas. (PÁGS. 75 e 76)

119. Admitimos, pois, seja suficiente breve meditação para reconhecermos no aborto delituoso um dos grandes fornecedores das moléstias de etiologia obscura e das obsessões catalogáveis na patologia da mente, a ocupar vastos departamentos de hospitais e penitenciárias. (PÁG. 76)

Pais e filhos

120. Lemos em “O Evangelho segundo o Espiritismo”, cap. XIV, item 9, que a ingratidão, um dos frutos mais diretos do egoísmo, revolta sempre os corações honestos. A dos filhos para com os pais apresenta, então, caráter ainda mais odioso. (PÁG. 77)

121. Os filhos não pertencem aos pais, e de igual modo os pais não pertencem aos filhos. Os genitores devem especial consideração aos próprios rebentos, mas o dever funciona bilateralmente, de vez que os filhos devem aos pais particular atenção. (PÁG. 77)

122. A reencarnação traça rumos nítidos ao mútuo respeito que nos compete uns para com os outros. Entre pais e filhos há, naturalmente, uma fronteira de apreço recíproco. É justo que os pais não interfiram no futuro dos filhos, tanto quanto justo é que os filhos não interfiram no passado dos pais. (PÁG. 78)

123. Pais e filhos são, originariamente, consciências livres, livres filhos de Deus empenhados no mundo à obra de autoburilamento, resgate de débitos, reajuste, evolução. (PÁG. 79)

124. Nunca será lícito o desprezo de uns para com os outros. A existência terrestre é muito importante no progresso e no aperfeiçoamento do Espírito; no entanto, ao mesmo tempo, é simples estágio da criatura eterna no educandário da experiência física, à maneira de estudante no internato. Os pais lembram alunos, em condições mais avançadas de tempo no currículo de lições, ao passo que os filhos recordam aprendizes iniciantes, quando surgem na arena de serviço terrestre, com acesso à escola, sob o patrocínio dos companheiros que os antecederam. (PÁG. 79)

125. Em vista disso, jamais devem os filhos acusar  os pais pelo curso complexo ou difícil em que se vejam no colégio da existência humana, porquanto na maioria das vezes foram eles mesmos, os filhos, que insistiram com os pais, através de afetuoso constrangimento ou suave processo obsessivo, para que os trouxessem, de novo, à oficina da vida terrena. (PÁGS. 79 e 80)

Amor livre

126. Ensina “O Livro dos Espíritos”, item 701:  “A poligamia  é lei humana cuja abolição marca um progresso social. O casamento, segundo as vistas de Deus, tem que se fundar na afeição dos seres que se unem. Na poligamia, não há afeição real: há apenas sensualidade”. (PÁG. 81)

127. Relações sexuais envolvem responsabilidade. Homem ou mulher, adquirindo parceira ou parceiro para a conjunção afetiva, não conseguirá, sem dano a si mesmo, tão-somente pensar em si mesmo. (PÁG. 81)

128. Com referência ao assunto, não falamos exclusivamente da ligação com base no matrimônio legalmente constituído. Se os parceiros da união sexual possuem deveres a observar entre si, à face de preceitos humanos, no plano das chamadas ligações extralegais acham-se igualmente submetidos aos princípios das Leis Divinas que regem a Natureza. (PÁG. 82)

129. Cada Espírito detém consigo o seu íntimo santuário, erguido ao amor, e Espírito algum menoscabará o “lugar sagrado” de outrem, sem lesar a si mesmo. Conferir pretensa legitimidade às relações sexuais irresponsáveis seria tratar “consciências” qual se fossem “coisas”. Ora, se as próprias coisas, na condição de objetos, reclamam respeito, que se dirá do acatamento devido à consciência de cada um? (PÁG. 82)

130. É óbvio que ninguém se lembrará, em são juízo, de recomendar escravidão às criaturas claramente abandonadas ou espezinhadas pelos próprios companheiros ou companheiras a que se entregaram confiantes; isso, no entanto, não autoriza ninguém a estabelecer liberdade indiscriminada para as relações sexuais que resultariam unicamente em licença ou devassidão. (PÁG. 82)

131. Instituído o ajuste afetivo entre duas pessoas, levanta-se, concomitantemente, entre elas, o impositivo do respeito à fidelidade natural, ante os compromissos abraçados. Desfeitos esses votos, claro que a ruptura corre à conta daquele ou daquela que a empreendeu, com o aceite compulsório das conseqüências que advenham de semelhante resolução, porque toda sementeira se acompanha de colheita, conforme a espécie. O autor ou autora da defecção havida é considerado, ante as leis de Deus, violador de almas e assume com suas vítimas a obrigação de restaurá-las, até o ponto em que as injuriou ou prejudicou. (PÁG. 83)

132. Que a tentação de retorno à poligamia possa  ocorrer  com qualquer pessoa, na Terra, é mais que natural. Em numerosas circunstâncias, o pretérito pode estar vivo nos mecanismos mais profundos de nossas inclinações. Entretanto, os deveres assumidos, no campo do amor, ante a luz do presente, devem prevalecer, acima de quaisquer anseios inoportunos, de vez que o compromisso cria leis no coração e não se danificam os sentimentos alheios sem resultados correspondentes na própria vida. (PÁGS. 83 e 84)

133. No capítulo do sexo, urge considerar que a Vontade de Deus, na essência, é o dever em sua mais alta expressão traçado para cada um de nós, no tempo chamado “hoje”.  E se  o “hoje” jaz viçado de complicações e problemas, a repontarem do “ontem”, depende de nós a harmonia ou o desequilíbrio do “amanhã”. (PÁG. 84)

Controle sexual

134. Kardec, reportando-se às causas das aflições da vida, diz que umas têm sua origem em vidas passadas, outras na presente existência. Se o homem remontasse, passo a passo, à origem dos males que o torturam, as mais das vezes ele diria: “Se eu houvesse feito, ou deixado de fazer tal coisa, não estaria em semelhante condição”, assinala o Codificador da Doutrina Espírita, em lição constante de “O Evangelho segundo o Espiritismo”, cap. V, item 4. (PÁG. 85)

135. Existe o mundo sexual dos Espíritos de evolução primária, inçado de ligações irresponsáveis e existe o mundo sexual dos Espíritos conscientes, que já adquiriram conhecimento das obrigações próprias, à frente da vida. O primeiro se constitui de homens e mulheres psiquicamente não muito distantes da selva, remanescentes próximos da convivência com os brutos. O segundo é integrado pelas consciências que a verdade já iluminou, estudantes das leis do destino à luz da imortalidade. (PÁGS. 85 e 86)

136. Enquanto o primeiro grupo se mantém ligado à poligamia, o segundo já se levantou para a visão panorâmica dos deveres que nos competem, e procura elevar os próprios impulsos sexuais, educando-os pelos mecanismos da contenção. (PÁG. 86)

137. A ligação sexual entre dois seres na Terra envolve a obrigação de proteger a tranqüilidade e o equilíbrio de alguém que, no caso, é o parceiro ou a parceira da experiência “a dois”. Urge, desse modo, evitar arrastamentos no terreno da aventura, em matéria de sexo, para que a desordem nos ajustes propostos não venha a romper a segurança do outro. (PÁGS. 86 e 87)

138. Não se trata aqui do chamado “vínculo indissolúvel”, criado por leis humanas, de vez que, em toda parte, encontramos companheiros e companheiras lesados pelo comportamento do outro e que, por isso mesmo, adquirem, depois de prejudicados, o direito natural de se vincularem à outra ligação, procurando companhia ao nível de sua confiança e respeitabilidade. (PÁG. 87)

139. Os participantes da comunhão afetiva, conscientes dos seus deveres, precisam examinar até que ponto terão gerado as causas da indisciplina ou deserção naquele ou naquela que desistiu da própria segurança íntima para se atirar à leviandade. (PÁG. 87)

140. É justo ponderar quanto a isso, porque, em muitas ocorrências dessa espécie, não é somente aquele ou aquela que se revelam desleais aos próprios compromissos o culpado único da ruptura da ligação afetiva, mas igualmente o companheiro ou a companheira que por desídia ou frieza, mesquinhez ou irreflexão nos votos abraçados, induz a parceira ou o parceiro a resvalarem para a insegurança, no campo do afeto, atraindo perturbações de feição e tamanho imprevisíveis. (PÁGS. 87 e 88)

Homossexualidade

141. Quando errante, pouco importa ao Espírito encarnar no corpo de um homem ou de uma mulher. “O que o guia na escolha são as provas por que haja de passar”, afirmam  os imortais em “O Livro dos Espíritos”, item 202. (PÁG. 89)

142. A homossexualidade, hoje chamada também transexualidade, definindo-se, no conjunto de suas características, por tendência da criatura para a comunhão afetiva com outra criatura do mesmo sexo, não encontra explicação fundamental nos estudos psicológicos de base materialista, mas é perfeitamente compreensível à luz da reencarnação. (PÁG. 89)

143. Embora a sociedade terrena seja constituída, em sua maioria, por criaturas heterossexuais, o mundo vê, na atualidade, em todos os países, extensas comunidades de irmãos em experiências dessa espécie, somando milhões de homens e mulheres solicitando atenção e respeito, em pé de igualdade ao respeito e à atenção devidos aos heterossexuais. (PÁGS. 89 e 90)

144. A vida espiritual pura e simples rege-se por afinidades eletivas essenciais; contudo, através de milênios e milênios, o Espírito passa por fieira imensa de reencarnações, ora em posição de feminilidade, ora em condições de masculinidade, o que sedimenta o fenômeno da bissexualidade, mais ou menos pronunciado, em quase todas as criaturas. (PÁG. 90)

145. O homem e a mulher serão, assim, de maneira respectiva, acentuadamente masculino ou acentuadamente feminina, sem especificação psicológica absoluta. À face disso, a individualidade em trânsito da experiência feminina para a masculina, ao envergar o corpo físico, demonstrará fatalmente os traços da feminilidade em que terá estagiado por muitos séculos, em que pese o corpo de formação masculina que a segregue, verificando-se o mesmo com referência à mulher em igual situação. (PÁG. 91)

146. O Espírito, ao renascer entre os homens, pode, obviamente, tomar um corpo feminino ou masculino, atendendo-se ao imperativo de encargos particulares em determinado setor de ação, ou ao cumprimento de obrigações regenerativas. (PÁG. 91)

147. O homem que abusou das faculdades genésicas, arruinando a existência de outras pessoas com a destruição de uniões construtivas e lares diversos, é em muitos casos induzido a buscar nova posição, no renascimento físico, em corpo morfologicamente feminino, aprendendo, em regime de prisão, a reajustar os próprios sentimentos, ocorrendo o mesmo com a mulher que tenha agido de igual modo. (PÁG. 91)

148. Em muitos casos, Espíritos cultos e sensíveis, aspirando a realizar tarefas específicas na elevação de agrupamentos humanos e na elevação de si próprios, rogam dos Instrutores espirituais que os assistem a própria internação  no campo físico, em vestimenta carnal oposta à estrutura psicológica pela qual transitoriamente se definem. (PÁGS. 91 e 92)

149. Observadas as tendências homossexuais dos companheiros reencarnados nessa faixa de prova ou de experiência, é forçoso se lhes dê o amparo educativo adequado, tanto quanto se administra instrução à maioria heterossexual, sabendo-se que todos os assuntos nessa área da evolução e da vida se especificam na intimidade da consciência de cada um. (PÁG. 92)

Adultério e prostituição

150. Ao dizer à multidão, reportando-se à mulher flagrada em adultério: “Atire-lhe a primeira pedra aquele que estiver isento de pecado”, Jesus fez da indulgência um dever para nós todos, porque não há ninguém que não necessite de indulgência. A sentença de Jesus ensina que não devemos julgar com mais severidade os outros, do que nos julgamos a nós mesmos. “Antes de profligarmos a alguém uma falta – propõe-nos o Espiritismo –, vejamos se a mesma censura não nos pode ser feita.” (PÁG. 93)

151. No rol das defecções, deserções, fraquezas e delitos do mundo, os problemas afetivos se mostram de tal modo encravados no ser humano que, provavelmente, nenhuma pessoa da Terra haja escapado, em suas múltiplas existências, aos chamados “erros de amor”. (PÁGS. 93 e 94)

152. Desses embates multimilenares restam, ainda, por feridas sangrentas no organismo social, o adultério, que será classificado, no futuro, na patologia das doenças da alma, extinguindo-se, por fim, com remédio adequado, e a prostituição, que reúne em si homens e mulheres que se entregam às relações sexuais, mediante paga. (PÁG. 94)

153. O lenocínio  de hoje, embora situado fora da lei, é o herdeiro dos bordéis autorizados em muitas regiões. (PÁG. 95)

154. Na Grécia e na Roma antigas, os estabelecimentos dessa natureza eram constantemente nutridos por levas de jovens mulheres orientais, direta ou indiretamente adquiridas, à feição de alimárias, para misteres de aluguel. E tantos foram os desvarios dos Espíritos em evolução no planeta – entre os quais poucos de nós não nos achamos incluídos – que Jesus, personalizando na mulher sofredora a família humana, pronunciou a inesquecível sentença, convocando os homens, supostamente puros em matéria de sexualidade, a lançarem sobre a companheira infeliz a primeira pedra. (PÁG. 95)

155. Quando cada criatura for respeitada em seu foro íntimo, para que o amor se consagre por vínculo divino, muito mais de alma para alma que de corpo para corpo, os conceitos de adultério e prostituição se farão distanciados do cotidiano, de vez que a compreensão apaziguará o coração humano e a chamada desventura afetiva não terá razão de ser. (PÁGS. 95 e 96)

Abstinência e celibato

156. O celibato voluntário, conforme esclarecem os itens 698 e 699 de “O Livro dos Espíritos”, nem sempre agrada a Deus. Quando, porém, a criatura adota  o celibato com o objetivo de se dedicar, de modo mais completo, ao serviço da Humanidade, a situação se altera, porque todo sacrifício pessoal é meritório, quando feito para o bem. “Quanto maior o sacrifício, tanto maior o mérito”, asseveram os imortais. (PÁG. 97)

157. Os que consigam abster-se da comunhão afetiva, com o fim de se fazerem mais úteis ao próximo, decerto que traçam a si mesmos escaladas mais rápidas aos cimos do aperfeiçoamento. (PÁG. 98)

158. Agindo assim, por amor, a serviço dos semelhantes, eles convertem a existência, sem ligações sexuais, em caminho de acesso à sublimação, ambientando-se em diferentes climas de criatividade, porquanto a energia sexual neles não estancou o próprio fluxo – essa energia simplesmente se canaliza para outros objetivos, os de natureza espiritual. (PÁG. 98)

159. Abstinência e celibato, seja por decisão súbita do homem ou da mulher, interessados em educar os próprios impulsos, seja por deliberação assumida, antes do renascimento na esfera física, em obediência a fins específicos, não contam indiferença e nem anestesia do sentimento. (PÁGS. 99 e 100)

160. Constituem, sim, tentames louváveis do ser – experiências de caráter transitório –, nos quais a fome de alimento afetivo se lhes transforma no imo do coração em fogo purificador, acrisolando-lhes as tendências ou transfigurando essas mesmas tendências em clima de produção do bem comum, através do qual, pela doação de uma vida, se efetua o apoio espiritual ou a iluminação de inúmeras outras. (PÁG. 100)

Carga erótica

161. Aprendemos no Espiritismo que o homem deve amar a sua alma, mas cuidar também de seu corpo. “Desatender às necessidades que a própria Natureza indica, é desatender a lei de Deus”, ensina a lição contida no item 11 do cap. XVII de “O Evangelho segundo o Espiritismo”. “Sereis, porventura, mais perfeitos se, martirizando o corpo, não vos tornardes menos egoístas, nem menos orgulhosos e mais caritativos para com  o vosso próximo? Não, a perfeição não está nisso, está toda nas reformas por que fizerdes passar o vosso Espírito. Dobrai-o, submetei-o, humilhai-o, mortificai-o: esse o meio de o tornardes dócil à vontade de Deus e o único de alcançardes a perfeição.” (PÁGS. 101 e 102)

162. O instinto sexual, exprimindo amor em expansão incessante, nasce nas profundezas da vida, orientando os processos da evolução. Toda criatura consciente traz consigo, devidamente estratificada, a herança incomensurável das experiências sexuais, vividas nos reinos inferiores da Natureza. (PÁG. 102)

163. Depreende-se disso que toda criatura na Terra transporta em si mesma determinada taxa de carga erótica, de que, em verdade, não se libertará unicamente ao preço de palavras e votos brilhantes, mas à custa de experiência e trabalho, de vez que instintos e paixões são energias e estados inerentes à alma de cada um, que as leis da Criação não destroem e sim auxiliam cada pessoa a transformar e elevar, no rumo da perfeição. (PÁG. 103)

164. É fácil entender, portanto, que do erotismo, como fator de magnetismo sexual humano, na romagem terrestre, não partilham tão-somente as inteligências que já se angelizaram, em minoria absoluta no Plano Físico, e os irmãos da Humanidade internados provisoriamente nas celas da idiotia. (PÁG. 103)

165. Os Espíritos sublimados se atraem uns aos outros por laços de amor considerado divino, por enquanto inabordáveis a nós que ainda compartilhamos das tendências e aspirações, dificuldades e provas do gênero humano. Quanto aos companheiros temporariamente bloqueados por cérebros deficientes, atravessam períodos mais ou menos longos de silêncio emocional, destinados a reparações e reajustes, quase sempre solicitados por eles mesmos. (PÁG. 103)

166. Assim, toda criatura humana carreia consigo determinada carga de impulsos eróticos, que ela mesma aprende, gradativamente, a orientar para o bem e a valorizar para a vida. Não nos achamos, diante do sexo, à frente de um despenhadeiro para as trevas, mas sim perante a fonte viva das energias em que a Sabedoria do Universo situou o laboratório das formas físicas e a usina dos estímulos espirituais mais intensos para a execução das tarefas que esposamos, visando ao progresso dos homens. (PÁG. 104)

167. Cada homem e cada mulher que ainda não se angelizou ou que não se encontre em processo de bloqueio das possibilidades criativas, no corpo ou na alma, traz, evidentemente, maior ou menor percentagem de anseios sexuais, a se expressarem por sede de apoio afetivo, e é claramente, nas lavras da experiência, errando e acertando e tornando a errar para acertar com mais segurança, que cada um de nós conseguirá sublimar os sentimentos que nos são próprios, de modo a erguer-nos em definitivo para a conquista da felicidade celeste e do Amor Universal. (PÁG. 104)

Sexo e religião

168. A necessidade da reencarnação para o progresso da criatura  humana  está claramente posta no item 166 de “O Livro dos Espíritos”. Para alcançar a perfeição, é indispensável sofrer a prova de uma nova existência corporal. (PÁG. 105)

169. A criatura que abraça encargos de natureza religiosa está procurando para si mesma aguilhões regeneradores ou educativos, de vez que ordenações de caráter externo não transfiguram milagrosamente o mundo íntimo. As realizações da fé se concretizam à base de porfiadas lutas da alma; ninguém se burila de um dia para outro. (PÁGS. 105 e 106)

170. As leis do Universo não destroem o instinto, mas transformam-no em razão e angelitude, na passagem dos evos, pelos mecanismos da sublimação. (PÁG. 106)

171. Efetivamente, existem Espíritos superiores e já erguidos a notáveis campos de elevação que, unicamente por amor e sacrifício, tomam assento nas organizações religiosas da Terra, volvendo à reencarnação em atividades socorristas, nas quais impulsionam o progresso dos seus irmãos. (PÁGS. 106 e 107)

172. Esses missionários vibram em faixas de amor sublime, quase sempre inacessível à compreensão dos seus contemporâneos. Não ocorre o mesmo entre os que renascem sob regime disciplinar, requisitado por eles contra eles mesmos, de vez que grande número desses obreiros das idéias religiosas, reencarnados em condições de prova, demonstram dificuldades e inibições múltiplas, no corpo e na mente, quando não sofrem exagerada tendência aos desvarios sexuais. (PÁG. 107)

173. Surgem daí os incidentes menos felizes – quantas vezes! – em que vemos expositores ardentes e apaixonados, dessa ou daquela idéia religiosa, tombando em experiências emotivas, muito mais complicadas e deploráveis do que aquelas outras que eles próprios reprovavam no caminho e na vida dos companheiros!… (PÁG. 107)

174. Aliás, o fenômeno é mais que justo, porquanto, aceitando os distintivos de determinada seara religiosa, o Espírito impõe a si mesmo um fator de frenagem e autopoliciamento, sem que as marcas exteriores da fé signifiquem mais que um convite ou um desafio a que se aperfeiçoe, de acordo com os princípios doutrinários que abraça. (PÁGS. 107 e 108)

175. Instruções religiosas exteriores não alteram, de improviso, os impulsos do coração, conquanto se erijam em fortaleza de luz, amparando a criatura que a elas se acolhe para o serviço de auto-aprimoramento. (PÁG. 108)

176. Por todo o exposto, percebe-se que somos nós mesmos, Espíritos endividados ante as Leis do Universo, que nos enlaçamos uns com os outros, encarnados e desencarnados, aperfeiçoando gradativamente as qualidades próprias e aprendendo, à custa de trabalho e de tempo, como alcançar a sublimação que demandamos, em marcha laboriosa para a conquista dos Valores Eternos. (PÁG. 108)

À margem do sexo

177. Em lição constante do item 16 do cap. X, “O Evangelho segundo o Espiritismo” recomenda que nos lembremos daquele que julga em última instância, que vê os movimentos íntimos de cada coração e que, por conseguinte, desculpa muitas vezes as faltas que censuramos, ou reprova o que relevamos, porque conhece o móvel de todos os atos. (PÁG. 109)

178. Em face dos ensinos do Cristo, elucidados pelos Espíritos superiores, devemos, à frente de todas as complicações e problemas do sexo, abster-nos de censura e condenação. A razão é simples. Todos nós – os Espíritos em aperfeiçoamento nos climas do planeta – estamos emergindo de passado multimilenar, em que as tramas da alma se entreteciam em labirintos de sombra, para que as bênçãos do aprendizado se nos fixassem no espírito. Ainda assim, estamos muito longe da meta por alcançar. (PÁGS. 109 e 110)

179. Se alguém parece cair, sob enganos do sentimento, silenciemos e esperemos! Se alguém parece tombar em delinqüência, por desvarios do coração, esperemos e silenciemos!… Sobretudo, compadeçamo-nos uns dos outros, porque, por enquanto, nenhum de nós consegue conhecer-se tão exatamente, a ponto de saber hoje qual o tamanho da experiência aflitiva que nos aguarda amanhã. (PÁG. 110)

180. Devemos calar  os nossos possíveis libelos, ante as supostas culpas alheias, porquanto nenhum de nós, por agora, é capaz de medir a parte de responsabilidade que nos compete a cada um nas irreflexões e desequilíbrios dos outros. (PÁG. 110)

181. Não dispomos de recursos para examinar as consciências alheias e cada um de nós, ante a Sabedoria Divina, é um caso particular, em matéria de amor, reclamando compreensão. Muitos dos nossos erros imaginários no mundo são caminhos certos para o bem, ao passo que muitos de nossos acertos hipotéticos são trilhas para o mal de que nos desvencilharemos um dia!… (PÁGS. 110 e 111)

182. Abençoemos e amemos sempre. E diante de toda e qualquer desarmonia do mundo afetivo, seja com quem for e como for, coloquemo-nos em pensamento no lugar dos acusados, analisando as nossas tendências mais íntimas e, após verificar se estamos em condições de censurar alguém, escutemos no âmago da consciência o apelo inolvidável do Cristo: “Amai-vos uns aos outros, como eu vos amei”. (PÁG. 111)

Londrina, 17/5/1998

Astolfo O. de Oliveira Filho

Vida e sexo, de Emmanuel

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *